Dez coisas que todo brasileiro deveria saber sobre a Petrobrás

A- A A+
1Para um país crescer, e o Brasil não é exceção, proporcionando um lugar bom para todos viverem bem, há necessidade de conhecimento (saber); energia; água; tecnologia (saber-fazer); recursos naturais; transporte.

2A situação do mundo: há cinco séculos, a Europa Ocidental autodenominou-se de "civilizada" e deu-se o direito de explorar todas as partes do mundo. Já em 1780 não havia, praticamente, nenhuma costa do mundo por explorar.

3 Sem nenhuma preocupação ética, nem respeito pelos nativos, foram instalados representações, entrepostos comerciais e postos militares que garantiram uma dominação, implantando um sistema de comércio internacional cruel e explorador que vem se aperfeiçoando e firmando com o correr dos séculos.

4 Os países periféricos têm suas riquezas naturais — tudo o que usamos na vida diária vem da natureza — mas elas não revertem em seu benefício porque sistematicamente são retiradas e exportadas ou têm os preços muito aviltados.

Chegavam no Brasil, extraiam e levavam o pau-brasil. Colheram ouro, diamantes, pedras preciosas que eram enviadas para a Europa sem deixar praticamente nenhum benefício para os "produtores".

Serra Leoa é um país muito pobre e tem diamantes!

Dá para aceitar ou entender? O que justificaria tal exploração?

Exportamos minérios de ferro a 7 dólares a tonelada. Isto é um décimo do preço da tonelada de banana! Na prática, se um brasileiro viaja por uma semana pelos EUA e gasta 4.500 dólares, o Brasil tem que vender 65 caminhões de minério para ter os dólares. É justo? Permaneceremos no século XXI sujeitos a tamanha exploração?

5 Muitos patriotas, civis, militares, estudantes, trabalhadores, perceberam que energia, água, recursos naturais, se deixados livremente, fora da mão do Estado, são apropriados pelas corporações transnacionais que explorarão tudo, deixando-nos, apenas, os buracos e a miséria.

6 Um secretário de Estado americano declarou: Os países ditos desenvolvidos (1º mundo) não poderão manter o seu atual padrão de vida se não usarem de todos os meios para dominar e controlar as fontes de matérias-primas não renováveis do planeta.

No Brasil executam este objetivo (os países hegemônicos — exploradores) usando cinco estratégias: ocupação econômica (quem domina a economia, domina o país); invasão cultural (destruir nossa unidade linguística); desmoralização das forças armadas e policiais (para diminuir a força e a liderança na defesa do país); desmantelamento dos sindicatos (para dificultar a mobilização popular em defesa da produção nacional); domínio dos meios de comunicação (para distrair a população, afastando-a do real conhecimento dos problemas, impedindo a divulgação do que não é do interesse das corporações transnacionais exploradoras).

7 Os países hegemônicos (exploradores) estruturaram suas economias com a obtenção de energia a partir de combustíveis fósseis (carvão-de-pedra, poluidor, e petróleo, que vai se esgotando). As empresas transnacionais de petróleo sempre negaram que houvesse petróleo no Brasil!

Oscar Cordeiro constatou a presença de óleo no poço de Lobato-BA, demonstrando que a sabotagem que havia não conseguia escondê-lo.

O cartel do petróleo passou a dizer que não havia recursos e capacidade dos brasileiros para explorá-lo. Queriam obter as concessões para explorar livremente o subsolo brasileiro.

Surgiu o maior movimento popular deste país: O Petróleo é Nosso! O Congresso, sob a liderança de Arthur Bernardes, derrotou emenda entreguista e Getúlio Vargas, em 3 de outubro de 1953, sancionou a Lei 2.004, que criou a Petrobrás.

E os brasileiros responderam ao cartel: Alguém já fez? Então faremos melhor! E fizeram!

8 A Petrobrás, com o monopólio estatal, passou a implantar a bandeira brasileira em toda a trajetória do petróleo: do poço ao posto. A Petrobrás é o maior atestado de competência e capacidade do brasileiro. Vejam:

  • A Petrobrás investiu 80 bilhões no país em 40 anos, enquanto as multinacionais dos mais variados setores investiram US$ 72 bilhões em mais de 100 anos!
  • Recolhe US$ 6,5 bilhões em impostos por ano, enquanto todo o sistema financeiro apenas 3 bilhões.
  • Em 1954, produziu 2.100 barris/dia de petróleo. Hoje, 2003, produz 1,6 milhões barris/dia.
  • No país em que negavam haver petróleo, a Petrobrás mostrou uma reserva de 1,5 milhões em 1953 e hoje, 20 bilhões de barris de reservas totais.
  • Com universidades brasileiras, desenvolveu tecnologias com tal eficiência que chegou a ser a única empresa no mundo a dominar a tecnologia de pesquisa e produção do petróleo em águas profundas.
  • Gás, gasolina e óleo diesel são produzidos e queimados. Os derivados petroquímicos são a base da produção de uma infinidade de artigos para o nosso uso (transformados). A Petrobrás desenvolveu centrais de matérias-primas no setor petroquímico.
  • Por produzir petróleo no Brasil e reduzir importação, a Petrobrás economizou para o país US$ 284 bilhões.
  • Num país agrícola como o nosso desenvolveu a produção de fertilizantes — nítricos, fosfóricos e potássicos (N.P.K) — para que dezenas de empresas brasileiras pudessem utilizá-los, para obter os adubos adequados a cada tipo de plantação.
  • Entre 1980 e 1990 construiu os navios de sua frota nos estaleiros brasileiros, alcançando cerca de 80 navios com tonelagem bruta de 6 milhões.
  • Com referência ao meio ambiente, o projeto Tamar, com o Ibama, é um exemplo maravilhoso, buscando a preservação da tartaruga marinha.
  • É impressionante o volume de empregos e a criação de tecnologias, proporcionado pela Petrobrás, estimulando as empresas nacionais para serem suas fornecedoras de equipamentos — estima-se em 5 mil. Isto representa enorme economia de divisas e melhoria das condições de vida dos brasileiros.
  • Nossas empresas, também, foram muito beneficiadas pela atuação da Interbrás que estimulava a venda dos nossos produtos em contrapartida à compra de petróleo.

9 É do presidente Arthur Bernardes o pronunciamento, feito na época da criação da Petrobrás, no auge da campanha O Petróleo é Nosso!

"Já tive o ensejo de dizer, desta tribuna da câmara, que uma das tarefas mais árduas para o político no Brasil é defender as riquezas naturais do país. Estrangeiros se mancomunaram contra elas e conseguem, não raro, aliciar nacionais para trair a sua pátria."

Para conseguir a exploração do nosso petróleo, desmantelando a Petrobrás, o cartel internacional do petróleo está usando as estratégias abaixo, com estranha conivência de quem deveria defender a Petrobrás:

  • mudar a legislação brasileira para permitir aos estrangeiros a exploração do nosso subsolo (água, minérios, petróleo);
  • internacionalizar a Petrobrás, tirando-a do seu objetivo de ser nacional, voltada para os interesses do Brasil, com importante compromisso social com a nação e o povo brasileiro;
  • transformar a Petrobrás em uma empresa com objetivos financeiros para, exclusivamente, dar lucros (para quem?), retirando-a da sua ação precípua para o desenvolvimento nacional;
  • tirar a alma brasileira da Petrobrás, fragmentando a empresa em unidades de negócio, impondo chefes para os negócios lucrativos e cheios de comissões, desenvolvendo uma competitividade interna predatória;
  • terceirização dos funcionários. Em vez do melhor sistema empregatício do mundo, o do concurso público em que o empregado insere toda a sua vida no contexto da existência da empresa, a locação feita por intermédio de gigolôs de mão-de-obra exploradores (feitores de uma escravatura "modernizada");
  • funcionário concursado, estável, ganhando o suficiente para alimentar seus filhos (sempre deveria ser assim) tende a ter dedicação, empenho e amor ao seu trabalho. Se tem aposentadoria tranquila garantida pela empresa, não irá atender aos acenos de transnacionais nem será joguete para os grandes lucros das empresas de seguro.
    A terceirização combate a alma brasileira na Petrobrás dificultando uma persistente política da empresa dentro do interesse nacional. Alerta!
    As empresas de seguro não querem o seu bem, querem sugar de você todo o lucro em benefício de minoria:
  • o terceirizado, pela instabilidade, é dócil às diretrizes das consultorias estrangeiras;
  • diminuir a grande credibilidade que a Petrobrás tem junto à população brasileira. Por isto omitem os seus feitos e divulgam, com exagerada intensidade, os acidentes;
  • transformar a diretoria, retirando funcionários de carreira e colocando pessoas ligadas ao sistema financeiro com suas alianças com o cartel internacional do petróleo;
  • dividir a formidável e competente estrutura da Petrobrás em unidades de negócio para privatizá-las sem a população brasileira perceber, passando-as para as mãos do cartel internacional;
  • criar uma estratégia de internacionalização (tentaram até mudar o nome). Com isto, visam passar as compras, as construções de navios e plataformas para o exterior. Isto já paralisou indústrias nacionais e acarreta aumento das dívidas brasileiras. Eram 5 mil empresas nacionais fornecedoras para a Petrobrás. Hoje, por incrível que pareça, não passam de cinco.

Não perdemos competência!

Tirar do nada e colocar a Petrobrás no nível que atingiu foi tarefa muito dura e difícil.

É um crime não preservarmos as conquistas.

10 Com o petróleo só há duas alternativas: ou está nas mãos do Estado e vai gerar riquezas que beneficiarão o país, ou fica na mão do cartel internacional do petróleo, o que representa sair a riqueza e ficar buraco e miséria.


Rui Nogueira é médico e escritor. Autor de Servos da Moeda, Nação do Sol, Amazônia, Império das Águas e Petrobrás, Orgulho de ser Brasileira.

 

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja