Opiniões - 12

A- A A+

De prostitutas e jornalistas

Do jornalista israelense Uri Avnery, comentando a cobertura da segunda invasão do Iraque: "Nos tempos de César, os exércitos levavam com eles prostitutas para a frente de batalha, ao passo que os exércitos de Bush levam jornalistas. Claro que salvando raras e honrosas exceções."

Enquanto as prostitutas são reconhecidas por venderem o corpo, esses jornalistas (os chamados embedded - incorporados às tropas) vendem mais que seu trabalho. Vendem também sua dignidade pelo simples fato de concordarem com as regras de manipulação dos fatos pré-estabelecidos pelo Pentágono. Nesse sentido, não parece exagero dizer que a mentalidade imperialista dos governantes do USA criou, nas linhas de frente, um instrumento que está sendo largamente utilizado para entorpecer a opinião pública mundial diante das atrocidades que são cometidas nas guerras de hoje: o jornalista prostituído, que trabalha para as grandes empresas de comunicação - ou cafetinas midiáticas.

Fazendo média
Niterói-RJ


A pedido de quem?

Segundo os registros históricos, em 1966, Castelo Branco mandou a tropa de choque da Polícia Militar do Distrito Federal invadir o Congresso, mas a ordem partiu do Executivo (da ditadura), nunca do Legislativo.

Pela primeira vez, o Congresso é invadido a pedido do presidente de uma das casas congressuais (Octávio Paz diz que uma nação se degrada quando sua própria linguagem começa a se corromper).

Quero dizer: subestimam a nossa inteligência quando tentam legitimar fatos tão desonrosos e deprimentes. Qualifico tal postura de "semântica da enganação" ou "dialética da traição". Os defensores da truculenta medida dizem que não houve invasão: que a tropa de choque entrou no Congresso para cortar caminho... Chega a ser risível - e se no trajeto havia manifestantes, porque não aproveitar e dar umas bordoadas e prender alguns para não perder a viagem? Um rapaz foi preso no subsolo do Anexo I da Câmara dos Deputados.

É uma retórica facilitária, um truque mental para criação de um auto-engano, elaborado sem qualquer convicção interna. Não convence ninguém. Nem aos seus autores. O Partido dos Trabalhadores (?) necessita de um álibi para acalmar a (má) consciência?

A invasão (a pedido...) é fato gravíssimo. Sua justificação também: quando lideranças de vários partidos minimizam tal fato, parece que elas internalizaram o arbítrio como fato corriqueiro. Ou não? Sim: uma guerra não termina com o armistício. Ficam as muletas, as sequelas, as viúvas, e os órfãos.

Escrevo isso porque parece que a ideologia da Ditadura Militar penetrou em muitos corações e mentes. E ficou lá.

Eu sou testemunha do fato. Não me contaram: eu vi: nem na época do arbítrio mais extremo, quando Brasília viveu sob medidas de emergência, eu assistira a espetáculo tão desonroso e deprimente.

Dirigentes de uma casa dita do povo impedem a efetivação de um direito legítimo (o de manifestação), já prescrito na Revolução Francesa do século XVIII.

Mas tal fato é exceção ou se enquadra num contexto maior?

Está inserido em outros comportamentos do Governo do PT: neoliberalismo agudizado, submissão ao "Consenso de Washington", extrema subalternidade ao FMI e ao "deus do Capitalismo" (o mercado), apoio da mídia mais reacionária (a mesma que satanizou o Lula em 89, lembram?), demonização do servidor público, favorecimento do sistema financeiro e à sua cupidez vampirizadora, ligação com o que há de mais espúrio na política brasileira (suas oligarquias).

O núcleo hegemônico do governo não consegue conviver com a divergência: pune delitos de opinião, seus capangas agridem manifestantes no ABC.

A violência verbal contra opositores à esquerda está sendo gestada para se transformar em violência física? A base aliada do Governo trocou parlamentares na Comissão Especial da Reforma da Previdência que se posicionavam contra a mesma.

E a troca arbitrária ocorreu quando a reunião já começara e a matéria estava em discussão. Não seria esse o PT que o General Golbery almejava para dividir a esquerda brasileira?

Diz um provérbio chinês: "Podemos escolher o que semear, mas vamos colher aquilo que plantamos."

Emanuel Medeiros Vieira
Escritor e jornalista
Brasília-DF


Stalingrado: o suicídio alemão

Não ha dúvidas sobre a força russa. Todos previam um fracasso frente ao poderio individual e bélico alemão, mas, de fato, prevaleceu a garra russa e uma incrível estratégia criada por Stálin. Talvez o desfecho para o mundo seria outro e não poderíamos calcular as perdas culturais, raciais (...) caso fosse efetivado o seu desfecho selvático pela fúria descontrolada dos alemães e sua ânsia por conseguir aplicar o ódio racial, anti-semita.

Fábio Ernany
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.


Justiça social

Oi, pessoal

Tive uma grata surpresa ao ver que vocês escolheram a música Justiça Social - parceria minha e de Téo Azevedo - para ilustrar o artigo com o Téo. O meu amigo e parceiro é um dos maiores batalhadores pela cultura autêntica de nossa Minas Gerais e pela melhora nas relações de desigualdade que existem, não apenas em nosso país, mas em todo o mundo.

Abraços do Valente

Antonio Carlos Valente
Poços de Caldas-MG

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja