O Estado Novo de novo?

http://www.anovademocracia.com.br/120/13a.jpg

Desde que a burguesia mercantil, no início da Idade Moderna, arregimentou seus exércitos e cercou o palácio do rei (qualquer que tenha sido o rei em questão), uma besta-fera vem sendo criada e alimentada, confundindo-se sua existência com a de seu próprio criador: o chamado Estado Moderno, nascido da necessidade das classes dominantes de defender suas propriedades privadas sob o falso manto da democracia e da imperatividade da "sociedade civil", veio para legitimar e esconder as contradições sociais e políticas inerentes ao nascente modo de produção capitalista.

De lá pra cá, muita coisa mudou, a besta-fera cresceu, engordou e se multiplicou. Em tempos de revolta popular espalhada pelos quatro cantos do país a face opressora do Estado, enquanto instrumento das classes dominantes, tem ficado cada vez mais à mostra. São tempos históricos, de páginas de livros escritas diretamente das ruas, nos muros das cidades, nas fachadas dos prédios públicos e nos criativos cartazes da juventude combatente que se postou na linha de frente dos embates. Diante da rebeldia das massas, que ousam cada vez mais a cada protesto, a besta-fera, como um minotauro implacável, irrompe sobre o povo em luta.

E é impossível falar de História sem refletir sobre uma série de eventos que em muito se assemelham a fatos já vividos no passado e que parecem retornar em um revival macabro. Nesse sentido, situações esdrúxulas como as dezenas de prisões políticas a cada protesto, a crescente truculência e o terrorismo de Estado que se instaurou no Brasil trazem à memória um capítulo funesto da história de nosso país conhecido como Estado Novo.

A despeito das alegações infames de muitos defensores da famigerada "Era Vargas" de que este teria sido um dos períodos mais avançados e progressistas de nossa história recente, chegando mesmo alguns ufanistas a qualificá-la como uma revolução burguesa nacional, o que tivemos aqui foi um arremedo de Estado fascista implantado sob o influxo da onda reacionária que se ergueu por todo o mundo como resposta da burguesia ao triunfo da Revolução Bolchevique de 1917.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin