Combativa greve dos professores no Pará

A- A A+
http://www.anovademocracia.com.br/120/11a.jpg
http://www.anovademocracia.com.br/120/11b.jpg
http://www.anovademocracia.com.br/120/11c.jpg
http://www.anovademocracia.com.br/120/11d.jpg
Passeatas, assembleias lotadas e ocupação marcaram uma das mais combativas greves da rede pública de ensino do Pará.

Em 23 de outubro, a greve dos professores da rede estadual do Pará completou um mês. Um dia antes, 22, centenas de educadores realizaram uma manifestação incendiando pneus e bloqueando uma rodovia que liga a Região Metropolitana de Belém ao interior do estado.

Cansados das promessas de sempre e das "mesas de negociações" por parte da gerência Simão Jatene (PSDB), os profissionais se reuniram em assembléia no dia 18 de setembro, dando início ao movimento grevista cinco dias depois.

A luta da categoria é por melhores condições de trabalho, salários decentes, o pagamento retroativo do piso salarial de 2011 e que o plano de carreira inclua todos os servidores da área da educação. A Secretaria de Educação diz que a greve parou 30% das escolas, mas o sindicato afirma que o número é de 85%. Estudantes e pais também se somaram ao movimento denunciando a falta de estrutura nas escolas, turmas lotadas, sanitários destruídos, falta de merenda de qualidade, etc. Problemas muito semelhantes com os verificados no sistema educacional no resto do país.

 Além das mentiras por parte do monopólio da imprensa que, como sempre, tentou difamar o justo movimento grevista, antes mesmo do início da paralisação uma juiza decretou a greve como "abusiva".

O oportunismo também cumpriu seu papel. Segundo nota lançada pela Liga Operária no início de outubro "a direção majoritária do Sindicato, comandada pelos pelegos do PSOL, tentou adiar ao máximo a greve, utilizando os ‘surrados’ argumentos que todos os anos são repetidos: a categoria não quer lutar, temos que preparar melhor a greve, a conjuntura não é favorável, a sociedade vai ficar contra o movimento e etc".

No dia 24 de outubro, o Ministério Público do Estado do Pará recomendou que houvesse corte de ponto e desconto da remuneração relativa aos dias de falta de todos os profissionais que se recusarem ao retorno imediato das atividades, independente da declaração de ilegalidade do movimento grevista. A promotora Maria das Graças Corrêa Cunha, que assinou o infame ofício, alegou que deve ser assim "face aos abusos cometidos pela categoria no exercício do direito de greve".

Até o fechamento deste artigo, no final da tarde de 24/10, os professores da rede estadual decidiram manter a paralisação e o prédio da Secretaria de Estado de Educação (Seduc) estava ocupado.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait