Os frutos da greve de professores em Goiânia

A- A A+

Entrevista concedida a Ana Lúcia Nunes por Carolina Nogueira, professora pedagoga, integrante do Comando de Greve.

http://www.anovademocracia.com.br/120/10a.jpg
Cartazes mostram combatividade dos professores em Goiânia.

AND: Quais vitórias você destacaria dessa jornada de luta dos profissionais da educação de Goiânia?

CN: A princípio, nós arrancamos algo, mas não o essencial. A prefeitura continua afirmando que paga 7,3% a mais do que o piso nacional para a categoria e isso não é verdade, por isso nossa luta vai continuar. Mas a prefeitura se comprometeu a não se aliar ao grupo de prefeitos e governadores que está defendendo junto ao STF que o salário dos professores seja ajustado de acordo com o INPC e não de acordo com o Fundeb, como manda a lei. Se os nossos salários forem ajustados de acordo com o INPC, o aumento para 2014 será de 7.7%, e com o Fundeb seria de 19%. Esse compromisso foi arrancado da prefeitura, eles assinaram um documento se comprometendo.

Nós também conseguimos algo histórico, a partir de agora a regência será incorporada às aposentadorias. Antes o professor perdia esse benefício, que corresponde a cerca de 20% dos nossos salários.

Em relação ao adicional de difícil acesso (auxílio locomoção), nós conseguimos um reajuste de 26% em 2014 e 26% em 2015 sobre o valor atual, de R$ 219.

Outras vitórias importantes foram que conseguimos foi que membros do Comando de Greve passassem a integrar o grupo de trabalho da reformulação do plano de carreira, tanto do magistério como do administrativo; e também participar de um grupo de trabalho junto ao Ministério Público para estudar a possibilidade de que as e os auxiliares educativos sejam enquadrados como profissionais do magistério, já que lhes foi exigida essa formação.

Enfim, em algumas pautas conseguimos compromissos da prefeitura, outras cobramos apenas o cumprimento da lei.

Nós vamos cobrar que a prefeitura cumpra a lei e, se não cumprir, vamos voltar a fazer greve. Demos o prazo de 30 dias para alguns pontos e de até 90 para outros. Esse acordo que fizemos será votado pela câmara e caso seja aprovado será transformado em lei.

AND: O que aconteceu com o PL que estava sendo votado quando vocês ocuparam a Câmara?

CN: O Projeto de Lei antigo que tratava sobre o auxílio deslocamento ficou parado na casa e terá que ser readaptado, de acordo com o acordo que fizemos com a prefeitura.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja