Editorial - Combater o bom combate, eis a questão!

A- A A+

Na noite de 25 de outubro um novo protesto pelo passe livre e por melhorias nos transportes públicos em São Paulo chamou a atenção e ganhou destaque no monopólio da imprensa. Não pela legitimidade incontestável do protesto, mas porque nele o coronel da PM Reynaldo Rossi levou uma sova e lhe tiraram a arma.

O monopólio dos meios de comunicação, ávido por qualquer fato que possa utilizar para criminalizar ainda mais os protestos populares, não perdeu tempo e exibiu em todas as suas primeiras páginas o episódio envolvendo o coronel, bem como suas surradas declarações, repetidas à exaustão, de que "a maioria deve impedir a penetração de minorias violentas nos protestos legítimos".

Depois da fase da negação de que os protestos eram legítimos, o monopólio já há algum tempo se vale desse discurso, para separar o protesto "bom" do "mau", ou seja, tratando a violência nos protestos como coisa de "bandidos". Para isso, concorre uma confluência notável desde o próprio monopólio da imprensa, passando pela polícia e os oportunistas que gerenciam o velho Estado até aos oportunistas que simulam "oposição" ao governo.

Dilma e sua ministra dos "direitos humanos", Maria do Rosário, se manifestaram em uma rede social na internet nos exatos e mesmos termos de Alckmin e Serra, se "solidarizando" com o coronel e criminalizando as manifestações. Coincidência? Não, apenas prova a mais de que são da mesma laia e de que quando se trata de defender os interesses das classes dominantes reacionárias são capazes e justificam as piores atrocidades. Afinal, quem foi mesmo que enviou tropas federais para reprimir protestos contra a desnacionalização do petróleo no Rio de Janeiro?

A quem observa os protestos com o mínimo de senso crítico, causa estranheza a descrição da cena como se o coronel tivesse sido abandonado indefeso pelos seus comandados durante uma "negociação" com "vândalos e bandidos", como quer fazer crer a PM e o monopólio da imprensa. Terá sido uma daquelas manifestações de soberba militar que teria feito o coronel crer que era inatingível? Estamos longe disso, embora haja soberba de sobra entre polícias e os gerentes do velho Estado.

De fato, é flagrante até ao espectador mais desatento a absoluta desproporção entre as polícias e suas tropas de choque de todo o Brasil e os manifestantes, por maiores que sejam os protestos. De um lado indumentárias àla robocop, bombas de gás lacrimogêneo, de efeito moral, balas de borracha, cassetetes, armas de choque, carros blindados, cavalos, helicópteros e toda parafernália bélica; de outro, jovens com escudos de madeirite, paus, pedras, lixo e, vez ou outra, coquetéis molotov.

Ao mesmo tempo, a maneira como são tratados os manifestantes durante os protestos não inspira a mais mínima compaixão entre os que derramam lágrimas pelo coronel Reynaldo. Afinal, é impossível contabilizar quantos foram espancados pela polícia, alvejados por todo tipo de arma "menos letal", ficaram cegos, passaram por revistas humilhantes, sofreram cortes, foram presos, obrigados a ficar descalços, tiveram cabelo raspado, permaneceram em cubículos imundos e submetidos a toda sorte de maus tratos dispensados pelos gendarmes desse Estado fascista, enquanto a "justiça" adiava por todas as manobras sua soltura, bem como seu reconhecimento como presos políticos.

Foi e é assim no Brasil todo desde junho. É assim e pior até com os operários que se rebelam nas grandes obras. Com o movimento camponês combativo há o agravante de assassinatos à luz do dia com a conivência do velho Estado, tal como nos morros e periferias das grandes cidades, onde os pobres são tratados como lixo pelas forças da repressão. Ou alguém já se esqueceu de Amarildo, cujo assassinato cometido por policiais ganha a cada dia mais detalhes macabros? Ou do jovem Douglas Rodrigues, de 17 anos, assassinado por um policial com um tiro no peito menos de 48 horas depois que o coronel levou seu corretivo?

E enquanto toda a canalha treme, incapaz de deter a juventude rebelada com incremento da repressão, soma-se à escalada de criminalização demente aos manifestantes a tática da razia e prisão em massa para tentar conjurar os esperados protestos da copa do mundo, deixando o máximo de ativistas com a espada suspensa sobre suas cabeças. Contudo, essas massas vão tomando corpo e forma, coagulando mais e mais compreensão e consignas políticas, se forjando nos combates com a repressão e se preparando para as grandes batalhas futuras pela derrubada completa do velho e construção do novo.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja