RJ: Prisões políticas dão força ao movimento nas ruas

http://www.anovademocracia.com.br/121/06b.jpg

Enquanto a maioria dos presos políticos já voltou às ruas, os jovens Jair Seixas Rodrigues (Baiano) e Rafael Braga Vieira permanecem presos. Fora do cárcere, manifestantes permanecem nas ruas, agora com uma nova bandeira: a libertação imediata de todos os presos políticos. Na tarde do dia 31 de outubro, cerca de cinco mil pessoas participaram do ato Grito da Liberdade, no Centro do Rio de Janeiro. A manifestação percorreu as ruas do Centro exigindo a libertação imediata dos presos políticos ainda encarcerados e um basta à criminalização dos movimentos populares e à violência policial nas favelas.

Participaram do protesto presos políticos de várias gerações, como a jovem Sininho e o ex-preso político do regime militar, José Maria Galliassi de Oliveira, um dos fundadores do jornal A Nova Democracia. Centenas de policiais fardados e à paisana acompanharam o ato do início ao fim, enquanto das janelas, trabalhadores saudavam o movimento. Na Avenida Rio Branco, manifestantes usaram panos pretos como mordaças e fizeram o trajeto entre a igreja da Candelária e a Cinelândia em silêncio, acompanhados apenas pelo som de um tambor. A manifestação novamente tomou as escadarias da Câmara Municipal e palavras de ordem foram ouvidas, como “Eleição é farsa! Não muda nada não! O povo organizado vai fazer revolução!”.

Estamos aqui pela resistência, pela libertação dos presos políticos. Onde já se viu? Um coronel da PM ser agredido e o agressor ser preso por tentativa de homicídio e um policial mata uma pessoa com um tiro e é liberado depois de alegar que foi acidental. Em que país que agente vive? Vá às escolas e aos hospitais para ver o que é vandalismo. Nós nunca batemos em professores, não somos nós que temos balas de borracha e bombas — disse um manifestante.

http://www.anovademocracia.com.br/121/06c.jpg
Foto: ABR, Grito da Liberdade, Fernando Frazão.

Eu quero falar! Eu quero me expressar! Eu quero cultura! Quero dizer o que penso — gritava um ator enquanto fazia uma performance simulando estar algemado e deitado no chão.

A manifestação terminou no bairro da Lapa, onde manifestantes amarraram faixas aos arcos da Lapa exigindo a libertação de todos os presos políticos. Indígenas também estenderam cartazes em defesa de sua causa. Enquanto isso, um helicóptero fazia voos rasantes para intimidar os manifestantes, o tempo todo observados de longe por centenas de policiais da tropa de choque da PM.

No dia 6 de novembro, os militantes que preferiram se identificar como Elson e “Game Over” se acorrentaram a dois postes em frente à Câmara de Vereadores do Rio e entraram em greve de fome. Centenas de pessoas todos os dias passam pelo local com flores, mensagens de apoio e outros gestos de incentivo. Até o fechamento dessa edição, os jovens ainda sustentavam a greve de fome até que todos os presos políticos sejam libertados.

Isso é um ato político pela libertação dos nossos companheiros que continuam em Bangu. A verdade é que todos nós estamos presos. Todos os brasileiros são presos políticos. Eu estou acorrentado aqui porque esse é o meu sentimento. Quem sabe essa nossa iniciativa não faz com que as pessoas abram um pouco a cabeça, nos vendo aqui todos os dias, ouvindo as palavras de ordem e enxergando a nossa fome como a fome e o medo de milhões de brasileiros — diz o ativista “Game Over”, que terminou afirmando que, apesar do seu apelido, a greve de fome não terá game over (fim do jogo) enquanto Rafael e Jair Seixas não forem libertados.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin