Lutas de Libertação Nacional

A- A A+

Afeganistão: Tratado de subjugação nacional

Rafael Gomes Penelas

Em 21 de novembro último, meios de comunicação internacionais informaram que entre 10 e 15 mil soldados invasores podem permanecer no Afeganistão após a “retirada” das tropas da Otan prevista para o fim de 2014. O “presidente” Hamid Karzai anunciou ter assinado um acordo bilateral de “segurança” com o USA que permite que as forças ianques fiquem no país até 2024 e determina que elas estarão sujeitas à própria justiça do USA.

Se for assinado, entre 10 mil e 15 mil soldados [das forças imperialistas] permanecerão. Quando digo ‘soldados’ não falo apenas de americanos, mas também de tropas procedentes de outros países da Otan, como Turquia ou outros países muçulmanos”, declarou o lacaio Hamid, afirmando ainda que tal acordo pode levar “estabilidade” ao país (leia-se combater a resistência anti-imperialista): “Este acordo pode nos oferecer um período de transição para alcançar a estabilidade nos próximos 10 anos”.

Hamid Karzai deu suas pífias declarações diante de 2,5 mil delegados durante a inauguração da Loya Jirga, a “grande assembleia afegã”, reunida na capital Cabul.

É um prazer poder dizer que após uma série de conversas com o presidente Karzai ao longo desta manhã chegamos a um acordo sobre a linguagem final de nossa relação bilateral que será apresentado à Loya Jirga  amanhã”, anunciou o secretário de Estado ianque, John Kerry, em entrevista coletiva no dia 21. Kerry ainda disse que, após a “saída” da Otan, o USA só se encarregará de treinar, equipar e assistir as forças de repressão do país.

O tratado de subjugação nacional deve definir a modalidade de uma presença militar ianque no Afeganistão após o término da missão da Otan. O “acordo” será enviado ao parlamento, se a assembléia aprovar, antes da eventual promulgação por Hamid.

O acordo ainda define que as tropas assassinas do USA utilizarão bases afegãs e poderão, em “casos excepcionais”, entrar em imóveis em busca de suspeitos de “terrorismo”. Em troca da imunidade judicial para os soldados invasores, o governo mercenário afegão, dando provas de sua sabujice, aceitou continuar recebendo a “ajuda financeira” de 4 bilhões de dólares, porém com cortes previstos para os próximos anos.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja