Bangladesh na iminência da rebelião

http://www.anovademocracia.com.br/122/18b.jpg
Trabalhadores em greve ateiam fogo em onibus.

Se passaram sete meses do desabamento de um prédio em Savar, a cerca de 30 km da capital Daca, onde funcionavam várias confecções de roupas que atendiam transnacionais do “mundo da moda”, episódio que vitimou mais de mil pessoas que lá trabalhavam em meio a precariedades e sob risco de morte constante.

Desde então, protestos convulsionam Bangladesh. O povo se insurge contra a perpetuação das condições de vida e de trabalho que matam instantaneamente, em desabamentos ou incêndios, e também pelos salários de fome e pela rotina degradante que se aprofunda dia após dia.

No começo de novembro mais de 200 fábricas da região têxtil de Ashulia, nas proximidades de Daca, foram fechadas devido aos combativos protestos exigindo melhores salários e condições de trabalho.

Diante da iminência da rebelião, os patrões, o gerenciamento bengali e as “Nações Unidas” se esmeram para tentar apaziguar o chão das fábricas. No dia 19/11, Gilbert Houngboo, vice-diretor-geral da Organização Internacional do Trabalho, órgão da ONU, declarou que os “esforços” das grandes marcas europeias para melhorar a segurança nas fábricas de produtos têxteis no país devem ser levados a cabo em todo o mundo, referindo-se às “reformas” que teriam sido feitas no setor têxtil bengali depois da tragédia de abril, com inspeções mais frequentes de equipamentos contra incêndio e da segurança dos imóveis...

O jogo de palavras de Houngboo é capaz de iludir apenas as mentes mais desprevenidas ante as artimanhas verbais dos poderosos.

Em primeiro lugar, só mesmo fingindo ser real a ficção da “responsabilidade social” que as transnacionais reivindicam como qualidades de si próprias, seguindo a cartilha do marketing para o capital acuado pela crise geral de superprodução relativa e pelo proletariado em franca luta, é possível acreditar de fato que as grandes marcas de roupas com presença em quase todas as nações do planeta pretendem mover quaisquer esforços em prol da melhoria das condições de trabalho nas fábricas instaladas em países pobres que lhes atendem as demandas de roupas de grife.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro