Outro ensaio sobre a cegueira

A- A A+

http://www.anovademocracia.com.br/122/14.jpg

Era cega e não havia percebido que o era, afinal, nunca tendo conhecido a luz, como saberia dizer do que se tratava? Mas naquele dramático mês de fevereiro, pouco antes de completar 22 anos, Maria passou de repente a enxergar.

— Mas como é que eu não vi isso antes, gente?

Com essa pergunta martelando a cabeça já zonza de tanto pensar, a moça se interpelou naquela manhã de domingo sobre o fato de ter vivido tanto tempo em completa escuridão. Não haveria de ser uma manhã como as outras, todas as monótonas manhãs de domingo que passava no barracão apertado e insalubre onde vivia com toda a família. Operária de fábrica, privada da visão, seguia cegamente o movimento da vida como seguia o ritmo da máquina: trabalho, escola, casa, trabalho... numa cantilena contínua que por vezes a fazia cochilar sobre a costura, perigando perder a peça e os dedos... Sem contar as vezes que dormia no ônibus e passava do ponto. Nesses dias, perdido o horário da escola, fazia a pé o restante do trajeto de casa, aproveitando pra pensar no que fazer com o tempo vago. Daria tempo de lavar os cabelos, assistir à novela, talvez até passar umas roupas n’água. Aos domingos gastava seu tempo lavando o uniforme e preparando a marmita da segunda. Sua descontração resumia-se aos programas vespertinos da TV; deleitava-se também com os comerciais, gostava de cantar as vinhetas e se imaginava, por vezes, cantora de bar. Não sonhava cantar na TV, ser artista famosa. Seu sonho era cantar na noite, achava “glamouroso”, embora desconhecesse o significado da palavra. Em casa ninguém havia se dado conta de que ela agora enxergava. E de nada adiantou o tom acalorado que usou para explicar o fenômeno ao namorado. Este, com o ar displicente, afirmou impunemente que nunca havia notado sua suposta cegueira; tampouco podia notar o que ela agora jurava ver ao redor.

— Talvez porque ainda estivessem os outros também com os olhos cerrados — concluiu, dando-se por vencida.

Sentia dor, uma dor aguda como a que sentem todos os que tendo as retinas em estado de repouso são, de repente, lançados à luz do dia. Estava ansiosa e sentia angústia; muita coisa ao mesmo tempo pra quem se habituara a sentir apenas cansaço. Mas o que mais a assustava era aquela sensação de expectativa que havia brotado junto da luz que invadiu seus olhos. Acostumadas ao ambiente opaco da fábrica, suas retinas virgens contemplavam agora todas as cores e formas ao redor. No começo, achou tudo bonito e passou a espantar-se com qualquer trivialidade, como uma criança que descobre as mãos e passa horas olhando fixamente o movimento dos próprios dedos. Encantou-se com o reflexo da água no fundo do copo e velou sua imagem no espelho com o entusiasmo de um astrônomo que observa o nascimento de uma estrela. Pensando bem, admirou-se de ter vivido tanto tempo sem enxergar nada. Como conseguiu? Por que não havia percebido antes o que agora parecia tão gritante aos seus olhos?

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja