Europa: ano termina, crise continua

http://www.anovademocracia.com.br/123/17.jpg

Não obstante as projeções mais ou menos otimistas acerca da “recuperação” da economia capitalista lançadas pelas “autoridades” e pelos banqueiros para os anos vindouros, inclusive para 2014, e sobretudo em se tratando da Europa, a realidade é que a crise geral de superprodução relativa do capitalismo é abissal e se prolongará ainda por muito tempo. A inexorável deterioração do “mercado de trabalho” europeu não deixa margem para outra conclusão.

Na Grã-Bretanha, o número de pessoas que procuram instituições de ajuda alimentar vem aumentando exponencialmente nos últimos anos, como AND já noticiou em edições passadas. A situação de “insegurança alimentar”, como gostam de dizer os burocratas funcionais ao capitalismo, chegou a tal ponto que a Cruz Vermelha britânica, pela primeira vez desde a segunda grande guerra imperialista, está destinando recursos para ajudar pessoas que não conseguem botar comida nas mesas de suas famílias.

Na Itália, três milhões e 200 mil trabalhadores, ou 12,5% da população ativa, procuram e não encontram meios para se sustentarem e a suas famílias, um número jamais registrado desde a criação de dados estatísticos sobre o desemprego no país. Entre os trabalhadores jovens, com até 24 anos de idade, a última taxa de desemprego registrada na Itália também é recorde: 41,2%.

Na Bélgica, sede da União Europeia – instância supranacional do capital monopolista europeu – diversas e sucessivas denúncias deram conta no fim de 2013 de um sem número de casos de exploração semi-escravocrata de trabalhadores de outras nações do continente, vindos dos elos mais fracos da incensada “União”.

Um dos mais escabrosos foi o de 60 operários portugueses que eram pagos a dois euros a hora de trabalho, o equivalente a um salário mensal de cerca de 330 euros, valor muito abaixo do próprio salário mínimo português, que é de 485 euros.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin