Espanhois em luta contra arrocho sem fim

Em se tratando de protestos populares, o final de 2013 na Europa foi como o transcorrer de todo o ano: de sublevação das massas contra o draconiano arrocho que vem sendo imposto pelos monopólios e órgãos de governo europeus aos trabalhadores desde que a crise geral do capitalismo purulou no continente na forma de “crise da dívida”.

Neste fim de ano chamou a atenção especialmente os protestos que varreram a Espanha no fim de novembro contra as infindáveis medidas anti-povo do gerenciamento Mariano Rajoy. No fim de semana dos dias 23 e 24 daquele mês dezenas de milhares de pessoas saíram às ruas de cerca de 50 cidades do país em defesa dos serviços públicos e contra a disparada do desemprego, da pobreza e dos infames despejos de milhares de trabalhadores que, sob o arrocho, deixaram de ter condições de arcar com o pagamento das moradias onde abrigam suas famílias.

Na véspera dos protestos agigantados, Mariano Rajoy manifestou sua intenção de promover na Espanha uma “segunda rodada” de reformas nas leis trabalhistas. O orçamento espanhol para 2014 prevê dramáticos e adicionais cortes de verbas para a educação, a saúde, a cultura e a seguridade social.

Especialmente mobilizados e combativos nas jornadas do fim de novembro na Espanha foram os trabalhadores da limpeza urbana da capital Madri, ameaçados por uma redução salarial de 40% e pela possibilidade de mais de mil demissões.

Acossado pelas marchas retumbantes das classes populares, Rajoy ora tenta esvaziar as ruas do país dando tons claramente fascistas à legislação. O gerenciamento espanhol está tentando aprovar duas leis neste sentido: uma estipula multas que vão dos 30 mil aos 600 mil euros a pessoas que participem ou convoquem manifestações não autorizadas pela polícia; a outra visa aumentar a manutenção de mais de 40% do funcionamento de serviços públicos em caso de movimento grevista, em um claro ataque ao direito de fazer greve naquele país.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro