Os desastres das chuvas e da negligência

A- A A+
http://www.anovademocracia.com.br/123/08a.jpg
Moradores contaram apenas com a solidariedade de amigos.

Em um intervalo de apenas cinco dias, duas chuvas torrenciais atingiram a cidade do Rio de Janeiro e região metropolitana. Um dos municípios mais devastados pela tempestade do dia 10 de dezembro foi Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, onde cerca de duas mil pessoas ficaram desabrigadas. Enquanto o monopólio da imprensa e os gerenciamentos de turno se preocupam em culpar a natureza pelo problema, moradores acusam o Estado de negligência na prevenção às enchentes e deslizamentos de terra. No dia 12 de dezembro, a equipe de AND foi ao bairro de Austin, em Nova Iguaçu, e conversou com os moradores, que não pouparam críticas ao governador Sérgio Cabral e ao prefeito Nelson Bornier.

A chuva realmente é um negócio da natureza. Mas se tivesse preparado o local para receber esse tipo de temporal, nada disso teria acontecido. Infelizmente eu não tenho nem com quem reclamar a não ser vocês da imprensa. O jeito é trabalhar tudo de novo e comprar tudo de novo. Não adianta falar com ninguém. Todos aqui precisam muito de ajuda — diz o comerciante Maurício Lopes, de 58 anos.

O Estado aqui não tem feito nada por nós. Olha aí os fundos da minha casa. Olha a quantidade de barro que desceu. E agora cadê o prefeito e o governador? Sumiram. Foi muita chuva. Eu passei a noite com a minha mãe doente dormindo dentro de um carro — lamenta a cozinheira Silvia dos Santos, de 49 anos.

A psicóloga Glória Lopes teve sua casa invadida pela água, apesar das obras que fez para conter as enxurradas. Ela vive com a mãe que é deficiente e teve que ser retirada às pressas do local. Móveis foram suspensos sobre caixas de cerveja e o barro estava por toda parte.

Minha mãe tem 87 anos e nós tivemos que sair correndo com ela. Suspendemos os móveis sobre caixas de cerveja para não perdemos mais do que já havíamos perdido. Minha mãe é cadeirante e sempre passa um sufoco quando isso acontece. Aqui em Austin o Estado não tem feito nada. Aumentou o número de habitantes, mas nada mudou. Não aumentou a rede de esgoto, as ruas, nada. Eu não acredito no poder público, porque a cada ano que passa, as pessoas vão morrendo. Aconteceu no morro do Bumba, na região serrana e, a cada ano que passa, tem uma nova tragédia — conta a psicóloga.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja