Opção de classe

A- A A+
Pin It

Há diversas formas de reduzir a despesa com o seguro-desemprego sem prejudicar os trabalhadores. Embora a necessidade de tal redução seja discutível (melhor seria cortar o fluxo de dinheiro para bancos e outros monopólios), vale a pena falar delas. Primeiro, para mostrar que existem outros caminhos além daquele que a opção do PT pela burguesia burocrática impõe. Segundo, porque são interessantes em si para a população trabalhadora, independente do efeito sobre as contas do Estado.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Atacar a absurda rotatividade da força de trabalho, característica estrutural do capitalismo brasileiro desde o golpe de 1964, seria a primeira delas. O Estado brasileiro omite, há 25 anos (onze deles sob governos do PT), a regulamentação da contribuição adicional ao FAT que o art. 239 § 4º da Constituição manda impor à empresa que demitir mais que a média de seu ramo de atividade. Isso representaria, de um lado, um desestímulo econômico à demissão e, de outro, uma fonte extra de receita para equilibrar as contas do seguro-desemprego.

Outro caminho seria o uso de mecanismos de intervenção no mercado de trabalho de modo a administrar a divisão das horas de atividade entre a população. Seria possível, por exemplo, impor uma redução temporária da jornada de trabalho em setores nos quais se verificassem mais demissões que contratações, de modo a estancar ou reverter a perda de empregos. Em complemento a isso, seria viável também impor a empresas nas quais se verificasse a realização frequente de horas extras a obrigação de admitir determinada quantidade de trabalhadores, que seriam direcionados a elas via SINE.

Um terceiro mecanismo, aplicado na Argentina nos primeiros anos seguintes ao colapso de 2001, seria o aumento das indenizações por dispensa quando o desemprego ultrapassasse um determinado percentual da força de trabalho.

De quem é a culpa?

Tudo isso é não só viável como relativamente simples sob o ponto de vista técnico. Mas não para um governo com os compromissos de classe assumidos pelo PT.

A sra Rousseff, tanto ou mais que o sr. Lula, não sabe, não pode e não quer enfrentar problemas como a rotatividade, o excesso de horas extras e o trabalho sem carteira. Por isso, prefere atacar os desempregados diminuindo o índice de reajuste do seguro, como fez no início de 2013. Ou condicionando seu pagamento à realização de cursos, como se fosse do trabalhador a culpa por estar desempregado e isso criasse a necessidade de obrigá-lo a se “qualificar”.

Chega a ser cômico que isso acontece num ex-país industrial transformado em fazendão de soja, que quase só gera empregos num setor terciário subdesenvolvido. A população brasileira pode não ter, em regra, uma formação adequada a indústrias baseadas em tecnologia de ponta. Mas sua capacitação está até além da exigida pelo tipo de vaga que a economia brasileira atual gera (operadores de telemarketing, atendentes de fast food, auxiliares de escritório).

Assim, além de embaraçar o acesso do trabalhador ao seguro-desemprego, a condição imposta pelo governo serve apenas para sustentar uma rede privada e estatal de cursos de qualidade e utilidade para lá de duvidosas e assegurar na marra público para o Pronatec, que, de outra forma, seria um fracasso rotundo. Não porque o trabalhador brasileiro não queira se qualificar, como dizem o patronato e a burocracia, mas por não existir ali uma oportunidade de aprimoramento efetivo.

Para piorar, o governo direciona a esses cursos as instalações e professores dos ex-Cefets (atuais Institutos Federais), escolas com estrutura – apesar de vinte anos de sucateamento – para oferecer aos filhos das classes trabalhadoras uma educação digna e uma efetiva formação para o trabalho. Seu uso para fins eleitoreiros e imediatistas como ensinar trabalhadores a dizer “oi” em inglês como suposta preparação para a Copa implica renunciar a isso. Mas esse é um tema para outra matéria.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja