120 anos do nascimento do Presidente Mao Tsetung

A- A A+

O grande guia da Revolução Proletária Mundial

http://www.anovademocracia.com.br/124/10a.jpg

Nota da redação: Em 26 de dezembro de 2013 completaram-se 120 anos do nascimento do Presidente Mao Tsetung, o grande líder da Revolução Chinesa, titã e grande mestre do proletariado internacional. Na China, dezenas de milhares de massas tomaram as ruas de várias cidades com estandartes e bandeiras vermelhas ao alto, entoando palavras de ordem para celebrar a data. O governo reacionário de Pequim, do revisionista PCCh, reagiu com declarações oficiais de que o povo não deveria “endeusar” o grande dirigente comunista. Por ocasião dessa data celebrada pelos revolucionários de todo o mundo, publicamos artigo do Núcleo de Estudos do Marxismo-Leninismo-Maoísmo – Brasil enviado à nossa redação.

Os imperialistas e todos reacionários
são tigres de papel.
Ou a revolução conjura a guerra mundial
ou a guerra mundial atiça a revolução.

Presidente Mao Tsetung

Dos três maiores marcos da Revolução Proletária Mundial no século XX, afora a Revolução Bolchevique (1917), dirigida pelo grande Lenin, o Presidente Mao Tsetung dirigiu dois deles. Chefatura inconteste da revolução no país mais populoso do mundo e grande guia do mais alto patamar alcançado pela Revolução Proletária Mundial, a Grande Revolução Cultural Proletária (GRCP). O Presidente Mao, grande continuador de Marx e Lenin e grande chefe do proletariado internacional, aportou imarcescíveis contribuições à Revolução Proletária e ao tesouro do marxismo-leninismo, as quais constituíram-se numa nova etapa do desenvolvimento da ciência do comunismo.

Assim como Marx e Engels fundaram o marxismo em luta contra as correntes filosóficas idealistas e metafísicas, dialética-idealistas e o materialismo antigo, bem como as teorias e ideologias correspondentes a essas concepções das classes dominantes exploradoras e opressoras, Lenin o elevou a uma segunda etapa de desenvolvimento, em dura luta contra o revisionismo que buscava negar sua essência revolucionária. O leninismo constituiu-se, portanto, como segunda etapa deste desenvolvimento. Como afirmou Stalin, “o leninismo é o marxismo da época do imperialismo e da revolução proletária”. Coube ao Presidente Mao em sua tormentosa época, como chefatura da Revolução Chinesa, o desafio, papel e labor semelhante, confirmando os precedentes do surgimento com Marx e desenvolvimento com Lenin, de que a ciência do proletariado só pode desenvolver-se em luta inconciliável contra todas as tentativas de sua negação.

Aplicação criadora

Desde o triunfo da revolução na China (1949) após 22 anos de luta armada e a construção do socialismo com o “Grade salto à frente” e as “Comunas populares”, passando pelo desmascaramento do kruschovismo (a Grande Polêmica-1963) à GRCP (1966), todo o labor do Presidente Mao foi resultante de seu magistral manejo da dialética e criadora aplicação das verdades universais do marxismo-leninismo à realidade chinesa, à prática da sua revolução, da análise acurada do imperialismo e do seu demolidor e inseparável combate ao novo revisionismo, na defesa irrenunciável do caráter revolucionário do marxismo. Seus aportes, pelos grandes e novos problemas a que deu respostas, já nos anos de 1960, constituiu-se no desenvolvimento de uma nova etapa de que demandava o marxismo, devenindo-se o marxismo-leninismo em marxismo-leninismo-maoísmo. Assim como a compreensão e aceitação do leninismo como segunda e nova etapa do marxismo foi um divisor de águas entre comunistas e revisionistas na primeira metade do século XX, também o é desde os anos de 1960, a compreensão de que o maoísmo é o marxismo-leninismo da época. Hoje, mais que nunca, o maoísmo é o deslinde entre comunistas e todo o revisionismo, incluído suas manifestações mais novidadeiras. É a terceira, nova e superior etapa do desenvolvimento do marxismo.

Foi o Presidente Gonzalo, chefatura do Partido Comunista do Peru e da Revolução Peruana, e em meio à grande Guerra Popular que dirigia quem, pela primeira vez e acertadamente, sintetizou os gigantescos aportes do Presidente Mao como maoísmo, como nova, terceira e superior etapa do desenvolvimento do marxismo. Como cumprira Stalin a tarefa de definir e sintetizar o leninismo, coube ao Presidente Gonzalo a de definir e sintetizar o maoísmo. E fez com a profunda compreensão de que uma nova etapa de desenvolvimento se caracteriza quando determinados aportes de determinado processo revolucionário se dão nas três partes constitutivas do marxismo – a filosofia marxista, a economia política marxista e o socialismo científico –, como um salto qualitativo destas como unidade, por exigência objetiva da época e necessidade de desenvolvimento do marxismo para respondê-la.

Na Entrevista do Século concedia a El Diario desde a clandestinidade, logo após o histórico I Congresso do PCP, em 1988, o Presidente Gonzalo expôs as bases dessa compreensão:

Para nós, o marxismo é um processo de desenvolvimento e este grandioso processo nos deu uma nova, terceira e superior etapa. (...) Dizemos isto porque vendo as três partes integrantes do marxismo é claramente evidente que o Presidente Mao Tsetung desenvolveu cada uma destas três partes.

“Assim, simplesmente para enumerar: na filosofia marxista ninguém pode negar seu grandioso desenvolvimento na dialética, centralmente na lei da contradição estabelecendo que é a única lei fundamental; se nos colocarmos o problema da economia política, podemos dizer que neste campo basta destacar duas coisas: uma, para nós de importância imediata e concreta, o capitalismo burocrático, e, dois, o desenvolvimento da economia política do socialismo, pois, em síntese, poderíamos dizer que é ele quem realmente estabeleceu e desenvolveu a economia política do socialismo; quanto ao socialismo científico bastaria destacar a guerra popular, pois, é com o Presidente Mao Tsetung que o proletariado internacional logra uma teoria militar cabal, desenvolvida e nos dá assim a teoria militar da classe, do proletariado, com aplicação em todas as partes.

Acreditamos que estas três questões nos demonstram que há um desenvolvimento de caráter universal. Visto o problema desta maneira, então estamos frente a uma nova etapa e a chamamos terceira, porque o marxismo tem duas etapas precedentes: a de Marx e a de Lenin, daí que falemos de marxismo-leninismo. No pertinente a superior: no maoísmo, a ideologia do proletariado universal alcança o mais alto desenvolvimento adquirido até hoje, seu mais alto cume; porém, no entendimento de que o marxismo é uma – desculpem a reiteração – unidade dialética que dá grandes saltos e esses grandes saltos são os que geram etapas. Assim, para nós, o que existe no mundo hoje é marxismo-leninismo-maoísmo, principalmente maoísmo.”

E ademais asseverou que “O fundamental no maoísmo é o poder. O poder para o proletariado, o poder para a ditadura do proletariado, o poder baseado numa força armada e dirigida pelo partido comunista. Mais explicitamente: 1) o poder sob direção do proletariado na revolução democrática; 2) o poder para a ditadura do proletariado nas revoluções socialista e culturais e 3) o poder baseado numa força armada dirigida pelo partido comunista, conquistado e defendido mediante a guerra popular”. E esta é questão medular.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Magistral manejo da dialética

Em brilhantes sínteses o Presidente Mao, de forma clara e profunda, disseca o materialismo dialético, estabelece que a contradição é a única lei fundamental que rege a natureza, a sociedade e o pensamento. Sistematiza a questão sobre a contradição: a contradição principal e o aspecto principal da contradição, o aspecto particular e universal da contradição, o papel do antagonismo na contradição, contradição antagônica e não antagônica, a identidade e luta dos contrários. Sobre a relação da prática e a teoria, aprofundou Lenin, afirmando que o conhecimento surge da prática indicando seus dois saltos, o que vai da prática ao conhecimento e deste à prática, sendo o segundo o principal.

Na economia política aprofunda teses leninistas na análise do imperialismo com a conceituação do capitalismo burocrático, ou seja, como na época do imperialismo, através da exportação de capitais e da política colonial, o capitalismo se desenvolve nos países dominados engendrado pelo imperialismo e atado a ele. Também desenvolveu a tese leninista de que “a política é expressão concentrada da economia”, que “o trabalho político é a linha vital do trabalho econômico” apontando “pôr a política no posto de comando”. Ainda em economia política do socialismo aponta grandes questões com o Grande Salto a Frente e as Comunas Populares.

Na esfera da luta de classes, da luta revolucionária e do socialismo, o Presidente Mao, assentado numa experiência de mais de cinquenta anos de luta partidária e mais de vinte de luta armada, desenvolveu a concepção da linha de massas como método de mobilizar as massas, conhecer a realidade para formular corretamente a linha geral, aplicar o centralismo democrático, construir os três instrumentos e organizar as massas na revolução. Partindo da concepção marxista de que são as massas que fazem a história formulou que para uma correta e acertada prática revolucionária os comunistas e ativistas revolucionários devem de modo sistemático e continuado “recolher as ideias das massas (ideias dispersas, não sistemáticas), concentrá-las (transformá-las por meio do estudo em ideias sintetizadas e sistematizadas), ir de novo às massas para propagá-las e explicá-las de maneira que as massas as tomem como suas, persistam nelas e as traduzam em ação; e ainda verificar a justeza dessas ideias no decorrer da própria ação das massas. Depois é preciso voltar a concentrar as ideias das massas e levá-las outra vez às massas, para que estas persistam nelas e as apliquem firmemente”.

Desenvolveu a tese marxista-leninista do partido ao formular o conceito da luta de duas linhas no partido, que se expressa como reflexo das contradições de classes existentes na sociedade e, inclusive, durante toda a época da construção do socialismo. Razão pela qual postula como determinante a necessidade da permanente luta ideológica contra o oportunismo, contra o dogmatismo, contra o revisionismo, tendo sempre em conta o revisionismo como perigo principal, para afirmação e domínio da linha proletária no partido, condição indispensável para a vitória da revolução, da construção do socialismo e de sua passagem ao comunismo.

Potencializou a linha político-ideológica da revolução proletária estabelecendo os Três Instrumentos Fundamentais da Revolução como sendo o Partido Comunista, Exército Popular e Frente Única Revolucionária. Chamando-os de “as três varinhas mágicas”, afirmou que “A experiência... nos demonstra que a frente única e a luta armada são as duas armas básicas para vencer o inimigo. A frente única é uma frente para manter a luta armada. E as organizações do Partido são os heroicos combatentes que manejam estas duas armas – para assaltar e destruir as posições do inimigo”. Na construção e manejo dos mesmos, o Presidente Mao compreendeu tratar-se da construção do novo poder e nisto definiu que “O poder nasce do fuzil” e que o “o partido manda no fuzil e jamais permitiremos que o fuzil mande no partido”.

Deu superior dimensão à questão militar, desenvolvendo e sistematizando a teoria e linha militar do proletariado, a guerra popular, como guerra de massas dirigida pelo partido comunista, com que se resolveu o problema da estratégia da conquista do poder do proletariado passo a passo com as bases de apoio, sua conquista em todo país e sua defesa. Ademais o Presidente Mao desenvolveu a teoria marxista do Estado com a teoria da revolução democrática burguesa de novo tipo ou Nova Democracia, expressa como ditadura conjunta das classes revolucionárias. Tese de suma importância, dado que a imensa maioria dos países são dominados pelo imperialismo e a esmagadora maioria da população da terra se localiza neles.

Ademais da inovadora e monumental contribuição com a GRCP, pois com ela resolveu-se a questão de como conduzir a luta de classes nas condições da ditadura do proletariado, para desenvolver a construção do socialismo, lutar contra as linhas defensoras do caminho capitalista e a inevitável tentativa de restauração burguesa.

O grande legado do Presidente Mao

http://www.anovademocracia.com.br/124/10b.jpg

Uma geração de valorosos dirigentes e militantes comunistas que sucedeu à morte do Presidente Mao Tsetung buscou estudar e aplicar seus ensinamentos. Dela fazem parte Ibrahim Kayppakkaya, assassinado sob torturas pelo Estado fascista turco em 1973, fundador do Partido Comunista da Turquia (Marxista-Leninista) - TKP/ML que segue levantando a bandeira da guerra popular; Charu Mazumdar, dirigente do Partido Comunista da Índia Marxista-Leninista que apoiou-se no histórico levantamento camponês de Naxalbari para fundamentar o caminho da guerra popular na Índia e que nos dias de hoje tem continuidade sob a direção de seu sucessor Partido Comunista da Índia (Maoísta) – PCI (M); Pedro Pomar, grande dirigente do Partido Comunista do Brasil, assassinado pelo regime militar fascista em 1976 após a derrota da Guerrilha do Araguaia, no balanço da qual defendeu avaliação crítica dos erros da concepção aplicada, para superar erros e prosseguir a estratégia da guerra popular, entre outros.

Mas, de todos estes, destacou-se Abimael Guzman Reynoso, o Presidente Gonzalo, que soube, com maior acerto, cumprir a tarefa de sistematizar a experiência da Revolução Chinesa de forma mais profunda e completa à frente da Fração Vermelha do Partido Comunista do Peru. Em 17 anos de luta e retomando a Mariátegui, reconstituiu o PCP ao final de 1979, iniciando em 17 de maio de 1980 a Guerra Popular. Estremecendo os Andes e sacudindo as velhas e podres estruturas semifeudais e burocráticas da sociedade peruana, golpeando duramente suas forças armadas e policiais genocidas conduziu a guerra até sua etapa de Equilíbrio Estratégico. No histórico I Congresso de 1988, filho do partido reconstituído e da guerra popular, o PCP, sob a chefatura do Presidente Gonzalo, estabeleceu de forma cabal que a ideologia do proletariado atingira uma nova, terceira e superior etapa, o maoísmo. Congresso que estabeleceu a Base de Unidade Partidária (BUP) com seus três elementos: a Ideologia como marxismo-leninismo-maoísmo pensamento Gonzalo, principalmente pensamento Gonzalo; o Programa e a Linha Política Geral, com linha internacional e linha militar como centro da revolução de nova democracia ininterrupta ao socialismo, como parte e a serviço da revolução proletária mundial, rumo à meta final do sempre dourado Comunismo.

A iniciativa do MRI nos anos de 1980 foi importante passo na direção de se reconstituir a Internacional Comunista, aglutinando e coordenando a luta ideológica no MCI. Com o contributo decisivo do PCP, o MRI avançou na compreensão do maoísmo como nova, terceira e superior etapa do marxismo, porém as posições oportunistas no seu interior, temendo a crescente influência do pensamento Gonzalo, sabotaram o apoio à guerra popular e difundiram capitulação. Questão que se condensou na capitulação no Nepal pela direção de Prachanda do PCN(m) que, traindo o povo e a revolução pôs fim à heroica guerra popular. Tal episódio representou a bancarrota do MRI e sua liquidação, principalmente pelas posições de Bob Avakian do PCR-USA. Nos dias atuais, seguem os ataques abertos e velados ao marxismo-leninismo-maoísmo desferidos pelo imperialismo e toda a reação, pelos trotskistas de sempre, pelos revisionistas kruschovistas e titistas, os dogmático-revisionistas hoxhistas, os revisionistas tengsiaopinistas e os mais novos próceres do revisionismo contemporâneo, tais como as LOD (linha oportunista de direita) no Peru dos “acordistas” de MOVADEF e suas ratazanas Mírian, Morote, etc., e da guerrilha mercenária da ratazana José, detrator do Presidente Gonzalo, do pensamento Gonzalo e do histórico I Congresso, ademais de Avakian do PCR-USA com sua “nova síntese”, Prachanda do PCN (Nepal), com seu “Socialismo do Século XXI” e “Competição multipartidária”. Os maoístas peruanos, após os duros golpes sofridos com a prisão de sua chefatura, o Presidente Gonzalo, e a capitulação de vários membros do CC, enfrentando o vento e a maré contrarrevolucionárias, lutam pela reorganização do PCP em todo país, levando sua BUP estabelecida por seu histórico I Congresso.

Encarnar o maoísmo

Hoje mais do que nunca, em meio da profunda crise de decomposição do imperialismo, quando todas as contradições fundamentais se agudizam, particularmente a que é principal que opõe nações/povos oprimidos ao imperialismo, em função de que a rebelião das massas populares explode em todos os continentes, em que se fortalece a resistência dos povos contra as guerras imperialistas de agressão e partilha, em que guerras populares levantam alto a bandeira da revolução de nova democracia, do socialismo e do comunismo na Índia, Filipinas, Turquia e Peru, em que em diferentes países contingentes de revolucionários maoístas preparam o desencadeamento de novas guerras populares, configurando-se desenvolvimento desigual da situação revolucionária no mundo, é tarefa central dos verdadeiros revolucionários desfraldar, defender e aplicar, principalmente aplicar o marxismo-leninismo-maoísmo, ou seja, encarná-lo.

E se faz necessário, como parte de um mais acertado balanço da experiência da revolução proletária, de forma geral e da experiência da ditadura do proletariado em particular, realizar o balanço da aplicação do maoísmo. Exatamente partindo da GRCP, tomar das diferentes experiências dos partidos comunistas maoístas e dos processos que dirigem, para colher lições positivas e negativas de todos, mas principalmente compreender onde mais se avançou na compreensão e aplicação do maoísmo.

Disto depreendemos que o processo da Revolução Peruana, que com a aplicação magistral do maoísmo pelo Presidente Gonzalo e decorrente Guerra Popular, trouxe, por consequência, contribuições universais à teoria da revolução proletária dos dias atuais. Pois, em que pese os duros golpes recebidos, o que se passa com a Revolução Peruana nada mais é que momentos cruciais presentes em todos os processos revolucionários triunfantes. Tal como vivenciou-se na Rússia entre a derrota da Revolução de 1905 até as vésperas do triunfo de Outubro de 1917 ou na China do período das cinco grandes operações de cerco e aniquilamento pelo Kuomintang, o da Longa Marcha, até o estabelecimento da base de apoio central e retaguarda geral e quartel general da revolução que representou Yenan e o triunfo em outubro de 1949. Nem o grande Lenin e nem o Presidente jamais avaliaram que essas derrotas e duros golpes recebidos pela revolução em seus países foram principalmente devido a erros de linha. Muito ao contrário, a prática de cada uma destas revoluções só confirmaram que somente triunfaram porque persistiram com mesma e correta linha. Daí a correta compreensão dos maoístas peruanos em lutar pela reorganização do PCP centrados na defesa de seu histórico I Congresso, sua BUP, o maoísmo, o pensamento Gonzalo, a defesa da vida do Presidente Gonzalo, impulsionando a guerra popular.

A síntese do maoísmo expressa pelo pensamento Gonzalo e suas contribuições de vigência universal, tais como sua magistral análise do curso e trajetória da Revolução Proletária Mundial, apontando que a mesma se encontra na etapa da Ofensiva Estratégica, dentro da qual o proletariado revolucionário tem que organizar sua contra-ofensiva, impulsionando uma Nova Grande Onda da Revolução, quando a crise de decomposição e agonia do imperialismo atingiu níveis avançados, quando a revolução deveniu-se tendência principal histórica e política, donde se faz necessário constituir/reconstituir e desenvolver partidos comunistas maoístas, brigar para que o maoísmo seja mando e guia da revolução proletária mundial; de aplicar a construção concêntrica dos três instrumentos fundamentais da revolução; partido comunista militarizado de cujo processo desenvolva correspondentes chefatura e pensamento guia; de que a Guerra Popular tem vigência universal aplicada à particularidade de cada país, para desencadear novas guerras populares e opor à guerra imperialista mundial a guerra popular mundial; guerra popular até o luminoso Comunismo.

Quando a crise de decomposição e agonia do imperialismo se aprofundou de modo tão formidável, dentro da qual as condições objetivas para a revolução proletária nunca estiveram tão maduras, com explosão de gigantescas revoltas das massas populares mundo afora, de crescimento das guerras de resistência anti-imperialistas e da persistência heroica das guerras populares da Índia, Filipinas, Turquia e Peru, o necessário desenvolvimento das condições subjetivas para impulsionar a nova grande onda da revolução cobra um salto de qualidade. E este só pode ser alcançado com a elevação da luta de duas linhas no MCI para dar luta implacável a todo oportunismo, combatendo o revisionismo como perigo principal e especificando-o, assumir cabalmente o maoísmo, encarná-lo.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja