Ministro marca reunião com índios de SC... e some

A- A A+

O ministro da Justiça marcou um encontro com povos indígenas e órgãos de S. Catarina para o dia 23 de dezembro, quando gravíssimos problemas seriam tratados, e não apareceu em Florianópolis. Até o fechamento desta edição de AND José Eduardo Cardozo não havia sequer explicado sua ausência. “A gente quer que venha, como prometeu, mas parece que ele sumiu...”, disseram lideranças dos índios catarinenses.

A data foi indicada pelo próprio Cardozo, quando em reunião realizada em 9 de dezembro pediu 15 dias para retornar à capital catarinense.

Naquele instante, conforme relato da jornalista Elaine Tavares, um indígena recordou ao ministro que ele já havia pedido um prazo de 15 dias numa reunião da qual participaram em Brasília, meses atrás. “O senhor teve o prazo e não fez nada. Agora quer mais 15 dias?”

Cardozo respondeu que teve de cuidar de um conflito que estourou na Bahia e não teve tempo de definir as demandas do sul. “Mas nós aqui também temos conflito. Qual é a diferença?”, argumentaram os índios.

Um líder, incomodado com o novo adiamento solicitado pelo ministro, se dirigiu ao vice-governador Pinho Moreira, que também estava na reunião: “Nós somos filhos desse estado e vocês esqueceram de nós. Estão fomentando a guerra entre os seus filhos, nós e os colonos. Todos os estudos já foram feitos, tudo já está definido há 20 anos. Que mais há para esperar?”, contou Elaine.

Os incitadores

Em S. Catarina habitam grupos das nações guarani, kaingang e xokleng, que vêm enfrentando uma situação muito difícil devido à não-legalização das Terras Indígenas (TI) Araça`í , Morro dos Cavalos, Toldo Imbu, Pinhal 2, Canhadão e La Klaño.

Boa parte desses territórios está tomada por brancos, alguns deles pequenos agricultores. Com a demora nos processos de indenização e na retirada desses ocupantes, as gerências federal, estadual, fazendeiros e empresários têm jogado pobres contra pobres, ou seja, colonos contra índios. 

Disse Elaine Tavares: “Todas essas comunidades estão há mais de 20 anos aguardando pela demarcação e desintrusão de suas terras e desde aí também vivem em permanente conflito com as famílias não-índias que ocupam o território. Muitas dessas famílias compraram as terras de boa fé, mas é possível também observar a ação de especuladores que acabam incitando as famílias contra os indígenas, inclusive atrasando as negociações.”

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja