Notas internacionais

Alemanha: Estado de sítio em Hamburgo

http://www.anovademocracia.com.br/125/17-alemanha.jpg
Intensas manifestações em frente ao centro cultural Rote Flora.

No fim de 2013, a população de Hamburgo, no norte da Alemanha, protagonizou grandes protestos que se iniciaram contra o encerramento do centro cultural Rote Flora (Flora Vermelha), um antigo teatro que abriga uma comunidade de características anarquistas desde a queda do Muro de Berlin.

Ainda no dia 21 de dezembro do ano passado, cerca de 80 policiais ficaram feridos durante uma manifestação. Em 4 de janeiro deste ano, as “autoridades” declararam a região como uma ‘zona de perigo’, impondo o que as organizações populares alemãs qualificaram como estado de sítio. Um grande aparato policial passou a controlar os bairros de Sternschanze, Altona e St. Pauli. Os policiais passaram a ter, oficialmente, o direito de revistar, questionar e prender qualquer pessoa “suspeita” sem qualquer justificativa.

Além do centro cultural, outros temas são motivo de grande discussão, como a questão da função das chamadas Casas Esso (complexo residencial próximo a um posto de gasolina) que está ameaçado de demolição no bairro St. Pauli, e a questão dos imigrantes que chegaram à Europa pela Ilha de Lampedusa e estão sob ameaça de deportação.

“Ali era um lugar de tráfico explícito de drogas. A partir de indicações da população e de diversas queixas, o ponto de criminalidade foi reconhecido e, por isso, foi instituída uma zona de perigo”, alegou Joachim Lenders, presidente estadual do sindicato dos policiais alemães.

Porém, Lenders não pode esconder o fato de essa qualificação de ‘zona de perigo’ ter sido declarada exatamente após as manifestações populares, portanto, por motivos políticos.

Com cerca de 100 mil habitantes, esta região de Hamburgo é um tradicional centro de agitação política e um local praticamente abandonado pelo Estado. Desde 2005, a polícia alemã já declarou mais de 40 áreas urbanas como ‘zonas de perigo’. Em alguns casos somente por algumas horas ou durante partidas de futebol ou manifestações.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin