Péssimos serviços desnudam crime das privatizações

Pouco a pouco, a cada vez que o telefone fica mudo, que cai o sinal de internet; a cada anúncio de lucros fabulosos dos bancos privados que arremataram bancos públicos; a cada aumento dos preços do pedágio, e a cada novo pedágio; a cada notícia sobre um “investidor” de antigas empresas públicas entrando em listas dos mais ricos, enquanto as condições gerais de vida da população se degradam a olhos vistos; a cada prova de inutilidade das agências reguladoras, evidencia-se com maior nitidez que o processo de massivas privatizações do patrimônio público do povo brasileiro, iniciado no gerenciamento Collor, impulsionado por FHC e agravado durante o gerenciamento petista, é, em todo o seu conjunto, um imenso, prolongado e até agora impune crime de lesa-pátria.

As privatizações são um processo histórico balizado pelas requisições dos grandes monopólios internacionais, que passaram a exigir dos administradores e gerentes dos Estados imperialistas e das semicolônias que alienassem o patrimônio público ao redor do planeta, que afinal foi e ainda tem sido levado a cabo sob o discurso padrão da busca por mais eficiência, por preços mais baixos e da necessidade de o Estado “fazer caixa” e diminuir o seu peso sobre a economia.

Em uma semicolônia como o Brasil, entretanto, todo o processo se dá com suas características acentuadas e agravadas, com as empresas públicas vendidas a preço de banana em negociatas azeitadas com dinheiro público, deterioração da qualidade dos serviços, oligopolização e altos preços. Além disso, as agências estatais ditas “reguladoras” funcionam como parte da engrenagem de achaques, descaso e precariedade, sempre atendendo às demandas dos monopólios.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin