Editorial - O que aumentará no país é a crise e os protestos

A- A A+

Janeiro sempre é um mês aguardado ansiosamente, tanto pelos “analistas” da direita declaradamente fascista quanto pelos oportunistas, porque é quando são divulgados os dados e estatísticas sobre desempenho econômico do país e demais números sobre a atuação da gerência semicolonial, seja de que facção do Partido Único for.

E os números oficiais e oficiosos de 2013 não são nada bons, como o editorial da edição passada de AND mostrou. Mesmo com toda estripolia estatística feita pela gerência petista, é impossível esconder que a economia brasileira galopa para o aprofundamento da crise.

Ainda assim, como de costume, Dilma e Mantega fizeram seu périplo pela Europa, no Forum Econômico Mundial, e cometeram vários discursos que mal escondem a ansiedade pelos “investimentos” estrangeiros no Brasil, apesar dos maus presságios.

Depois de prestar contas e renovar as garantias de imensos lucros para a Fifa em reunião com o presidente da entidade/empresa mafiosa que gerencia o futebol mundial, Dilma foi ao encontro de seus homólogos em Davos, onde se reuniram os chefes imperialistas e seus serviçais nas semicolônias.

Em seu discurso, despejou a cantilena de que a maioria da população brasileira está na classe média e novamente tergiversou sobre as jornadas de protesto popular de junho/julho de 2013, afirmando que foram resultantes do “progresso” que vive o País, enquanto PT e seus se recusam deixar o delírio de que tudo foi obra da “direita”. Disse mesmo que não reprimiu os protestos, ou seja, não houve bombas, gás pimenta e lacrimogênio, balas de borracha, nem feridos e nem mortos!

Mais ainda, Dilma jurou de pés juntos que a economia brasileira é sólida e rejubilando-se por ter privatizado petróleo, ferrovias, estradas, portos e aeroportos, disse que tem mais para entregar e “convidou” a que os monopólios estrangeiros sigam “investindo” no país.

Já Mantega assegurou que os BRICS (sigla tecnocrática que designa Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) continuarão liderando o crescimento mundial, eludindo que a China novamente teve uma desaceleração na produção industrial, que teve como efeito a derrubada das principais bolsas de valores do mundo. As moedas do Brasil, Índia, África do Sul, ademais de Turquia, Argentina e outros países considerados “emergentes” sofrem desvalorização acentuada desde meados de 2013.

Desmascarada a manobra de vender plataformas de petróleo ao exterior e alugá-las através da Petrobras para positivar o saldo da balança comercial, bem como divulgado o número consolidado e oficial do déficit nas contas correntes de 82 bilhões de dólares, pouco sobra de margem à contrapropaganda ufanista que o oportunismo petista faz de sua política econômica, que em nada difere de seus antecessores tucanos, ou seja, está destinada à falência em toda a linha.

Enquanto isso, no Brasil, o povo vê sua situação piorar a cada dia. O fato é que esses índices atingem a economia popular das mais diferentes maneiras, como através da inflação, do arrocho dos salários, etc. O ano nem bem começou e já houve demissões em massa na indústria automobilística, algo já há muito anunciado.

Este é apenas mais um ingrediente atirado ao caldo de cultura da revolta popular que já explodiu em 2013 e que já começa a despontar em 2014. Os altos preços e péssima qualidade do transporte público; a falta de luz e água nos bairros proletários, desabastecendo o povo no verão, quando mais se precisa desses serviços; o alto preço dos combustíveis e dos alimentos; as mortes e prejuízos causados pela chuva e pelo descaso dos sucessivos gerenciamentos de turno, etc., tudo isso deve se agravar, principalmente por causa do empenho do gerenciamento petista em servir aos monopólios e às oligarquias nativas.

No campo a situação ainda é mais grave. Depois de ter jogado a derradeira pá de cal sobre a já falida “reforma agrária”, Dilma ampliou enormemente a repressão com tropas federais aos camponeses, indígenas e remanescentes de quilombolas mais combativos. E ainda acoberta a ação impune de grupos de pistoleiros a soldo do latifúndio e incita o ódio contra a luta pela terra desses setores da população.

Até o dia do fechamento desta edição de AND, 29 de janeiro, 30 ônibus haviam sido incendiados em São Paulo por diferentes razões em protestos na periferia. Manifestações contra a Copa haviam ocorrido em 16 cidades, o Rio tem jornadas de luta semanais contra o aumento anunciado das passagens dos transportes coletivos e há já um grande calendário de lutas em todo o país, principalmente contra a Copa da Fifa e a farsa eleitoral.

Claro, o oportunismo eleitoreiro em geral, no governo ou na oposição, de tudo faz para que os protestos sejam identificados com a direita, já que foram derrotados em sua tentativa de domesticá-los. PT e pecedobê se esmeram sem sucesso em tachar de “anti-Brasil” os protestos contra a Copa da Fifa, enquanto que PSOL, PSTU, etc., seguirão resmungando e choramingando contra o radicalismo da juventude combatente.

E se, como sempre, o oportunismo tenta dar um caráter plebiscitário à disputa eleitoral, não deixa de reconhecer que seu verdadeiro inimigo é o povo organizado nas ruas, que já rejeitou todas as siglas eleitoreiras e explicitou seu repúdio às eleições farsantes.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja