As máscaras no chão

A- A A+
Pin It
http://www.anovademocracia.com.br/126/13a.jpg
'Pelo fim da Brigada Militar', anuncia faixa dos manifestantes

1. O monopólio RBS

Que os monopólios de comunicação servem aos grandes interesses econômicos e manipulam informações inescrupulosamente, é algo que quase ninguém questiona. Outra coisa é constatar isso na prática e sentir essa manipulação na própria pele. O que Zero Hora, Diário Gaúcho, RBS TV e as rádios Gaúcha, Itapema e CBN fizeram com os rodoviários em greve deixou marcas que se refletirão sobre sua própria capacidade de direcionar a opinião pública daqui por diante.

Durante os 15 dias de paralisação, tudo que esses veículos fizeram foi clamar histericamente pela repressão policial aos grevistas e jogar a população contra eles bombardeando-a dia e noite com histórias sobre os transtornos (reais) vividos por quem depende do transporte coletivo. ZH chegou ao ponto de ativar seus velhos vínculos com o aparato repressivo para promover a insubordinação policial militar, publicando artigos e declarações de um oficial (José Carlos Riccardi Guimarães) e um praça (Aparício Santellano), ambos dirigentes de associações das respectivas categorias de brigadianos, em prol do uso da força para acabar com a greve. Santellano chegou ao cúmulo de ameaçar os grevistas com o surgimento de “uma milícia para garantir a segurança”.

Enquanto isso, a incúria e a ganância do monopólio estadunidense AES – que controla o abastecimento de energia em parte do estado – deixavam três municípios da região metropolitana (Novo Hamburgo, Campo Bom e Estância Velha) sem luz (logo, também sem água) por até 6 dias. Em vez de exibir em detalhes o sofrimento da população atingida e exigir algum tipo de intervenção, Zero Hora noticiava a “eficiência” da AES em reduzir dos 91 mil iniciais para “apenas” 40 mil o número de pessoas sem água e luz após três dias e 15 mil após 5 dias. A falta de luz e água repetiu-se também em outros municípios da grande Porto Alegre.

2. O Poder Judiciário

http://www.anovademocracia.com.br/126/13b.jpg
A juventude gaúcha em luta contra a máfia dos transportes

Tampouco apareceu algum juiz para multar a AES em R$ 100 mil por dia com bloqueio em conta até o restabelecimento do serviço, como a doutora Ana Luíza Heineck Kruse, fez com o sindicato dos rodoviários. Muito menos policiais dispostos a formar milícia para esse fim.

A atuação da vice-presidenta do TRT durante a greve deixa patente a que interesses de classe serve o Poder Judiciário. Claro que os juízes não são um bloco monolítico e há, entre eles democratas autênticos. Em situações mais delicadas de conflito social, porém, o que prevalece é um viés conservador e autoritário que mal disfarça a que serve: ao mesmo tempo em que invocava a defesa do direito de ir e vir da população para impor medidas draconianas aos grevistas, a dra Ana Luíza cortava a palavra do presidente da comissão de negociação, Alceu Weber, toda vez que ele tocava em assuntos como a qualidade do serviço ou o preço da passagem porque, no seu entender,esses temas não dizem respeito à relação de empregador e empregado.

Mas se certas técnicas de intimidação podem ser eficazes numa audiência em que o (a) juiz (a) tem diante de si apenas um trabalhador que reclama a título individual e seu advogado, outra coisa é o que acontece quando se tem uma categoria unida e consciente. A juíza tentou impor seus termos aos rodoviários e não conseguiu. Isso terá, naturalmente, consequências sobre a legitimidade do TRT para a resolução de impasses futuros dos rodoviários ou de qualquer outra categoria.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

3. O governo estadual petista

É verdade que o governo estadual, encabeçado por Tarso Genro, não fez tudo o que o patronato e a RBS exigiam, até porque interessa-lhe desgastar o prefeito Fortunati, já que PT e PDT são agora rivais no RS. Sua atuação, no entanto, está longe de ter sido meritória.

Primeiro, chama a atenção a leniência diante dos desacatos e ameaças formulados pelos policiais militares escalados pela RBS para pedir a repressão. Diante disso, a reação de Tarso e de seu secretário, Airton Michels, foi nenhuma.

Segundo, se não jogou a Brigada Militar em cima dos rodoviários, o governo não deixou de acioná-la para reprimir as manifestações do Bloco de Lutas em apoio a eles. No dia 31, quando a manifestação se dispersava, a Brigada Militar cercou o bairro boêmio da Cidade Baixa, provocando e ameaçando seus participantes. A urbanista Cláudia Favaro, do Comitê Popular da Copa, foi detida e revistada nua em local público (um bar). Na assembleia do Bloco realizada no dia 12, o filho de 7 anos de Lorena Castillo, integrante do movimento, foi abordado e ameaçado por um policial à paisana.

Tarso e Michels podem até ter escapado do círculo do inferno reservado aos que derramam sangue (Flagelonte). Está assegurado, no entanto, seu lugar no dos pusilânimes.

4. A burocracia sindical

Durante a greve, dirigentes sindicais de maior e menor hierarquia tentavam sabotar o movimento nas garagens, infundindo nos trabalhadores o medo de ser demitidos ou ter o salário descontado. Ao mesmo tempo, frequentavam os jornais, rádios e TVs da RBS para acusar os que mantinham a paralisação de infiltrados, no melhor estilo macartista. Aconteça o que acontecer, será no mínimo constrangedor para eles encarar a categoria depois de ela ter conseguido, com a continuidade da greve, muito mais do que eles diziam ser possível conseguir quando pediam seu fim.

Ah, sim, faltaria falar do cartel empresarial e da prefeitura. Mas pensando bem, eles já não tinham mesmo qualquer credibilidade, ainda antes da greve.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja