Matança de operários na Arena da Amazônia

A- A A+
http://www.anovademocracia.com.br/126/09b.jpg
Mais um trabalhador é vitimado em obra da Copa da Fifa

Denunciamos na edição anterior que “nas arenas da Copa, os gerentes de turno do Estado semicolonial e semifeudal dão carne aos leões da Fifa”.

Mais uma vez, com imensa revolta e pesar noticiamos a morte de mais um operário, o quarto apenas na Arena da Amazônia, ocorrida em 7 de janeiro.

O trabalhador de origem portuguesa, Antônio José Pita Martins, de 55 anos, desmontava uma grua quando uma pesada peça caiu e atingiu sua cabeça. Antônio sofreu um grave ferimento no crânio e lesões múltiplas no tórax. Ele chegou a ser submetido a uma cirurgia para aliviar a pressão intracraniana, mas não sobreviveu.

A Arena da Amazônia é mais uma das obras da Copa da Fifa em que os operários são submetidos a extrema pressão para o cumprimento de absurdas metas.

Em 29 de março do ano passado, o operário Raimundo Nonato Lima da Costa, de 49 anos, morreu após sofrer queda de cinco metros de altura. Em 14 de dezembro, o jovem operário Marcleudo de Melo Ferreira, de 22 anos, também morreu após sofrer queda de 35 metros de altura nessa mesma obra. Na ocasião, o presidente do Sintracomec-AM (Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil do Amazonas), Cícero Custódio, afirmou que os operários eram submetidos a jornadas de trabalho de até 18 horas diárias. Nesse mesmo dia, horas depois da morte de Marcleudo, o operário José Antônio da Silva Nascimento, de 49 anos, morreu enquanto trabalhava nas obras do Centro de Convenções do Amazonas, anexo a Arena da Amazônia, vítima de um infarto. Organizações classistas e de defesa dos direitos do povo denunciam que o infarto que levou a morte de José Antônio foi devido ao desgaste provocado pela jornada estafante.

Em dezembro do ano passado, logo após a morte de Marcleudo de Melo, o secretário da Copa em Manaus, Miguel Capobianco, acusou os operários de “relaxo” na utilização dos equipamentos de segurança, acusando as vítimas dos crimes trabalhistas cometidos pelo governo, empreiteiras e Fifa por suas próprias mortes e mutilações.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja