Matança de operários na Arena da Amazônia

http://www.anovademocracia.com.br/126/09b.jpg
Mais um trabalhador é vitimado em obra da Copa da Fifa

Denunciamos na edição anterior que “nas arenas da Copa, os gerentes de turno do Estado semicolonial e semifeudal dão carne aos leões da Fifa”.

Mais uma vez, com imensa revolta e pesar noticiamos a morte de mais um operário, o quarto apenas na Arena da Amazônia, ocorrida em 7 de janeiro.

O trabalhador de origem portuguesa, Antônio José Pita Martins, de 55 anos, desmontava uma grua quando uma pesada peça caiu e atingiu sua cabeça. Antônio sofreu um grave ferimento no crânio e lesões múltiplas no tórax. Ele chegou a ser submetido a uma cirurgia para aliviar a pressão intracraniana, mas não sobreviveu.

A Arena da Amazônia é mais uma das obras da Copa da Fifa em que os operários são submetidos a extrema pressão para o cumprimento de absurdas metas.

Em 29 de março do ano passado, o operário Raimundo Nonato Lima da Costa, de 49 anos, morreu após sofrer queda de cinco metros de altura. Em 14 de dezembro, o jovem operário Marcleudo de Melo Ferreira, de 22 anos, também morreu após sofrer queda de 35 metros de altura nessa mesma obra. Na ocasião, o presidente do Sintracomec-AM (Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil do Amazonas), Cícero Custódio, afirmou que os operários eram submetidos a jornadas de trabalho de até 18 horas diárias. Nesse mesmo dia, horas depois da morte de Marcleudo, o operário José Antônio da Silva Nascimento, de 49 anos, morreu enquanto trabalhava nas obras do Centro de Convenções do Amazonas, anexo a Arena da Amazônia, vítima de um infarto. Organizações classistas e de defesa dos direitos do povo denunciam que o infarto que levou a morte de José Antônio foi devido ao desgaste provocado pela jornada estafante.

Em dezembro do ano passado, logo após a morte de Marcleudo de Melo, o secretário da Copa em Manaus, Miguel Capobianco, acusou os operários de “relaxo” na utilização dos equipamentos de segurança, acusando as vítimas dos crimes trabalhistas cometidos pelo governo, empreiteiras e Fifa por suas próprias mortes e mutilações.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin