Nova chacina da PM em favela do Rio

http://www.anovademocracia.com.br/126/08a.jpg
Novo banho de sangue promovido pela PM fascista do Rio

Depois que a policial Alda Rafael Castilho foi morta durante um suposto ataque à base da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Parque Proletário — uma das 13 favelas do Complexo da Penha —, na zona Norte do Rio, PMs do 41º Batalhão (Irajá) fizeram uma operação no dia 4 de fevereiro na favela vizinha, a do Juramento, para, segundo o secretário de segurança, José Mariano Beltrame, achar os autores dos disparos que mataram a soldado. No entanto, a verdade é que policiais subiram o Juramento para vingar sua morte. A ação terminou com seis pessoas assassinadas e duas feridas. As vítimas já chegaram ao Hospital Getúlio Vargas mortas e, de acordo com o comando da PM, foram socorridas pelos próprios policiais.

No entanto, imagens de celular divulgadas nas redes sociais na internet mostram os seis rapazes já mortos sendo observados por PMs ainda em um dos becos do morro do Juramento. Quando alegam que as vítimas ainda estavam vivas, policiais criam um argumento para desfazer a cena do crime e dificultar o trabalho da perícia. Isso porque, segundo o perito aposentado Leví Inimá de Miranda, que trabalhou na Polícia Civil do Rio e no Exército, ao que tudo indica, os jovens foram executados a sangue frio e não em um confronto, como alegam os policiais.

— Nas fotos está claro que todos já estavam mortos, pela posição dos corpos no chão, pela quantidade de sangue incompatível com a vida e pelo comportamento dos PMs, que não demonstravam estar preocupados em socorrer os feridos. Além disso, não há nenhuma arma na foto. Por que os PMs desfizeram o local do crime? Para esconder a execução — explica.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin