A farra bancária no Brasil e no mundo

A- A A+

http://www.anovademocracia.com.br/126/06.jpg

Os cabeças do gerenciamento semicolonial do Brasil pelo oportunismo petista franzem a testa e mostram os dentes quando confrontados com os números sobre a inflação que corrói os salários do trabalhador; com os dados que colocam em xeque sua falácia sobre a erradicação da miséria, deitada por terra apenas pela prestidigitação de descer a “linha” de renda que a caracteriza ao limiar da sobrevivência; quando constrangidos pelas evidências da disseminação do trabalho precário, que é como Dilma e sua camarilha conseguem apregoar o “pleno emprego”; mas a real natureza deste “governo” poucas vezes fica tão às claras como na época da divulgação dos balanços contábeis das instituições financeiras que operam no Brasil, escancarando a quem esta corja de fato serve.

Agora mesmo, o banco Itaú acaba de anunciar que registrou em 2013 o maior lucro da história do sistema financeiro brasileiro. O Itaú fechou as contas do ano passado com um lucro líquido contábil de R$ 15,696 bilhões, acima do resultado de R$ 13,594 bilhões registrado um ano antes, e batendo o recorde anterior neste quesito, que pertencia a ele próprio, o Itaú, e registrado em 2011, quando seus acionistas repartiram a quantia de R$ 13,837 bilhões, butim formado, ontem e hoje, pela alta rentabilidade da agiotagem institucionalizada dos juros dos mais altos do mundo cobrados a correntistas, no contexto da farra bancária vigente sob a “regulação” do Banco Central.

O Itaú, que desde o gerenciamento FHC se beneficiou fartamente das privatizações de bancos regionais, se tornou a terceira maior instituição financeira do Hemisfério Sul do planeta em novembro de 2008, quando sacramentou a fusão com o antigo Unibanco, em uma manobra monopolista, não obstante aprovada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica, o Cade - que na teoria existe justamente para coibir práticas monopolistas -, que em muito explica os recordes de agora e que na época foi chancelada pelo então chefe do Banco Central, Henrique Meirelles.

Em maio do ano passado o Itaú comprou a operadora de cartões de crédito Credicard por R$ 3 bilhões, e agora, em janeiro de 2014, anunciou a compra do banco chileno CorpBanca por US$ 3,7 bilhões, reforçando sua posição de transnacional brasileira, para orgulho de Luiz Inácio.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja