A farra bancária no Brasil e no mundo

http://www.anovademocracia.com.br/126/06.jpg

Os cabeças do gerenciamento semicolonial do Brasil pelo oportunismo petista franzem a testa e mostram os dentes quando confrontados com os números sobre a inflação que corrói os salários do trabalhador; com os dados que colocam em xeque sua falácia sobre a erradicação da miséria, deitada por terra apenas pela prestidigitação de descer a “linha” de renda que a caracteriza ao limiar da sobrevivência; quando constrangidos pelas evidências da disseminação do trabalho precário, que é como Dilma e sua camarilha conseguem apregoar o “pleno emprego”; mas a real natureza deste “governo” poucas vezes fica tão às claras como na época da divulgação dos balanços contábeis das instituições financeiras que operam no Brasil, escancarando a quem esta corja de fato serve.

Agora mesmo, o banco Itaú acaba de anunciar que registrou em 2013 o maior lucro da história do sistema financeiro brasileiro. O Itaú fechou as contas do ano passado com um lucro líquido contábil de R$ 15,696 bilhões, acima do resultado de R$ 13,594 bilhões registrado um ano antes, e batendo o recorde anterior neste quesito, que pertencia a ele próprio, o Itaú, e registrado em 2011, quando seus acionistas repartiram a quantia de R$ 13,837 bilhões, butim formado, ontem e hoje, pela alta rentabilidade da agiotagem institucionalizada dos juros dos mais altos do mundo cobrados a correntistas, no contexto da farra bancária vigente sob a “regulação” do Banco Central.

O Itaú, que desde o gerenciamento FHC se beneficiou fartamente das privatizações de bancos regionais, se tornou a terceira maior instituição financeira do Hemisfério Sul do planeta em novembro de 2008, quando sacramentou a fusão com o antigo Unibanco, em uma manobra monopolista, não obstante aprovada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica, o Cade - que na teoria existe justamente para coibir práticas monopolistas -, que em muito explica os recordes de agora e que na época foi chancelada pelo então chefe do Banco Central, Henrique Meirelles.

Em maio do ano passado o Itaú comprou a operadora de cartões de crédito Credicard por R$ 3 bilhões, e agora, em janeiro de 2014, anunciou a compra do banco chileno CorpBanca por US$ 3,7 bilhões, reforçando sua posição de transnacional brasileira, para orgulho de Luiz Inácio.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin