Cantando e pintando regionalismo

A- A A+

Cantor, compositor, poeta, percussionista e pintor, Galvão Filho nasceu em uma família de músicos de Natal, RN. Envolvido com cultura popular, ajudou a fundar um grupo de teatro de rua em sua cidade, trabalhando os folguedos populares através de suas canções feitas para os espetáculos. 

http://www.anovademocracia.com.br/127/17.jpg

Na minha casa se escutava de tudo e isso resultou que cada um dos meus irmãos seguisse uma linha de trabalho. Sempre foquei na mente que queria fazer alguma coisa ligada à área da música, e me identifiquei muito com a cultura popular, o folclore nordestino — conta Galvão.

Comecei com percussão, depois passei a pesquisar ritmos e estudar violão clássico e violino, tudo para melhorar meu trabalho com música popular. Mas só me envolvi com essa parte do folclore quando já era compositor.

Além das muitas manifestações que presenciei desde menino, o teatro de rua era uma coisa que muito me impressionava e por conta disso acabei me envolvendo com ele. Fui um dos fundadores do grupo Alegria Alegria, tradicional de teatro de rua daqui — acrescenta.

O Alegria Alegria tem mais de 20 anos de existência, sendo um dos mais antigos grupos de teatro de rua em atividade.

Nosso primeiro espetáculo foi o Pedro Malasartes, com músicas que falam dos folguedos populares. Nesse momento que comecei a me envolver com teatro é que passei a escrever na linguagem popular. Além de fazer as músicas, também atuava como ator em alguns momentos — diz Galvão.

Fiz músicas para outros grupos também, tanto teatro adulto quanto infantil. As pessoas precisavam e me procuravam para escrever. No momento não estou mais envolvido com teatro, porque escolhi seguir minha carreira de músico mesmo, e não sobra tempo.

Galvão tem muitos parceiros que foi conhecendo ao longo de sua carreira e que muito ajudaram a enriquecer seu trabalho.

A música me fez conhecer pessoas importantes e ir evoluindo dessa forma. Hoje tenho como amigos e parceiros, Xangai, Geraldo Azevedo e muitos outros. Às vezes pego uma letra de um parceiro e coloco melodia, outras faço só o refrão, mando para um parceiro e ele escreve em cima — explica.

Ao contrário, também colho um pedaço de música e componho o restante da melodia. Também acontece de pegar uma melodia pronta e fazer a letra em cima, ou compor letra e música, enfim, é um processo muito livre.

A temática nordestina aparece refletida em tudo o que faço. A maneira de escrever já declara tudo. E seja o ritmo que for, quando faço um trabalho fico ansioso para ver o efeito que vai surtir nas pessoas. Elas comentam, me ligam dizendo que se identificaram com determinada música — diz.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja