I Internacional: 150 anos de história

A- A A+
 

http://www.anovademocracia.com.br/127/16.jpg

Há 150 anos – 28 de setembro de 1864 - trabalhadores do mundo, incluindo Karl Marx e Friederich Engels, reuniram-se numa pequena sala em St Martin’s Hall, em Londres, para organizar a I Associação Internacional dos Trabalhadores. Era a tentativa de colocar em prática o lema de 1848 pelo Manifesto do Partido Comunista: “Proletários de todos os países, uni-vos!”

Marx já havia percebido desde sua participação na Liga dos Comunistas que o capital estava organizado de tal forma para atingir o mundo todo; que a indústria moderna se desenvolvia graças ao poder de triturar vidas de trabalhadores; que a burguesia organizava os Estados nacionais segundo interesses de seus negócios. Para isso, também seria necessário os representantes da força de trabalho tomar iniciativa e se organizar como força política capaz de mudar o curso da história.

Se o capital estava organizado em todos os países, a burguesia tinha o poder de fazer o que lhes interessava com os Estados nacionais para atender seus negócios. A Associação Internacional dos Trabalhadores seria uma forma de decretar abertamente a luta de classe do proletariado com a burguesia. O Manifesto do Partido Comunista de 1848 já havia anunciado que a “história da humanidade tem sido a história das lutas de classes”, mas também havia dito que essas lutas são: “ora veladas, ora desveladas”. Para a burguesia interessa manter veladas as contradições de classes, mas ao proletariado interessa desvelar, porque enquanto as lutas estão escondidas, a burguesia mantém uma forma de exploração para extrair o máximo de lucro da força de trabalho e acumular capital sem limites, mesmo com aumento da miséria dos trabalhadores.

Assim a AIT tinha a responsabilidade de expor as disputas entre os dois projetos de sociedade: de um lado, o modo de produção capitalista representado pela burguesia; de outro lado o comunismo representado pelo proletariado. O modo de produção capitalista é a forma de organização em que uma pequena parte se apropriou historicamente dos meios de produção da vida e explora o trabalho da grande maioria para acumular infinitamente, mais e mais riquezas. No comunismo os meios de produção são da coletividade e a forma da produção é o trabalho comum, com objetivo de retorno ao trabalhador que é o verdadeiro produtor para garantir a vida com dignidade.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja