30 mil pessoas mantêm ocupação em São Paulo

http://www.anovademocracia.com.br/127/12b.jpg
Famílias lutam por moradia no Nova Palestina

Empurrados para a pobreza por forças violentas do capitalismo, os pobres impuseram com combatividade o seu direito à moradia. Na zona Sul de São Paulo, um terreno de 1 milhão de metros quadrados, localizado no Jardim Ângela, foi ocupado por mais de 30 mil pessoas e é organizado pelo MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto). Por conter um grande número de pessoas que foram expulsas de seus lares, a ocupação foi batizada de Nova Palestina. 

Nós viemos num ritmo de oitenta, noventa famílias por dia e fomos construindo nossas habitações com o que podíamos; usando ripas de madeira, paredes de lata, sacos plásticos para se proteger da chuva etc. Nos organizamos para manter a ocupação bem estruturada; todos ajudam e dividem os afazeres na comunidade, alguns  cozinham, outros lavam, fazemos rondas noturnas, não há brigas e discussões — explica Faustino Antônio, morador da Nova Palestina.

Em pouco tempo o terreno vazio tinha desaparecido e se transformado em um mar imenso de choças e barracos, tão densamente povoado quanto uma cidade e habitado por personagens fantásticos – trabalhadores e trabalhadoras, idosos e crianças. 

Os governantes em conluio com os bancos e as grandes empresas dizem que nós, os pobres, somos a sujeira que o mundo não pode ver. Por isso, estamos vivendo nessa época de intensas remoções, despejos e eliminação de favelas em grande escala. É a campanha de “embelezamento” da Fifa — coloca Josefa Soares da Silva, que foi despejada de sua casa, na zona Leste, e hoje vive na ocupação.

Nas semicolônias, os pobres sempre devem temer os eventos internacionais de grande porte, que levam as autoridades a iniciar uma cruzada genocida e desumana de expulsão étnica, social e criminalização da pobreza — onde o despejo violento é uma ameaça iminente. Com a intensa especulação imobiliária, a única opção aparentemente deixada para os pobres é se expor em terrenos sujeitos a inundações, doenças e todo tipo de precariedades.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro