20 mil trabalhadores em greve no Comperj: Guerra contra governo, Petrobras e pelegos

http://www.anovademocracia.com.br/127/12a.jpg
Uma das grandes assembleias de operários que decidiram pela manutenção da greve

Apesar da repressão, do silêncio sepulcral imposto pelo monopólio da imprensa, dos ataques do judiciário e do peleguismo da direção do sindicato, a greve dos trabalhadores do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro - Comperj, em Itaboraí, considerado o maior projeto da história da Petrobras e um dos principais do PAC, continua e já ultrapassa os 40 dias.

Em 27 de fevereiro, o Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 1ª Região determinou o fim da greve dos trabalhadores do Comperj. A desembargadora Rosana Salim Villela Travesedo concedeu liminar em favor do patronal Sindicato dos Trabalhadores do Plano da Construção Civil de São Gonçalo (Sindemon), considerando a greve abusiva e ilegal. A desembargadora impunha uma multa de R$ 10 mil diários ao sindicato da categoria em caso de descumprimento da determinação.

Mas a greve avança de forma independente do pelego Sindicato dos Trabalhadores da Indústria da Construção Civil e Pesada, Montagem e Manutenção de São Gonçalo, Itaboraí e Região – Sinticom, filiado à CUT. Prova disso é que, em 6 de fevereiro, durante o bloqueio da rodovia RJ-116 por trabalhadores em protesto, uma caminhonete de som do Sindicom foi, segundo informações veiculadas na imprensa local, apedrejada e incendiada pelos grevistas, cena que tem se repetido em inúmeras greves operárias país afora como demonstração do crescente repúdio dos trabalhadores às direções oportunistas ligadas às centrais sindicais governistas.

Também em 6 de fevereiro, conforme noticiamos na edição anterior de AND, dois trabalhadores foram abordados por homens em uma moto e, após serem indagados se eram grevistas, foram baleados próximo do acesso ao complexo, às margens da RJ-116. Felipe Feitosa, de 21 anos, com disparos na barriga, na perna e em uma das mãos; e Françiuélio Rodrigues, de 20 anos, com disparos no tornozelo e em uma das mãos. Eles foram hospitalizados e se recuperaram dos ferimentos.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza