Garis mostram o caminho da luta combativa

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia


A histórica greve dos garis cariocas deu o exemplo da luta independente, classista e combativa que arrancou a vitória sobre a arrogância e desprezo da prefeitura do Rio, pela ação dos próprios trabalhadores.

Depois que o sindicato mega-pelego da central governista UGT deu as costas aos trabalhadores, os garis deram as costas a toda a estrutura sindical de Estado carcomida com suas instituições repressivas: a Justiça do Trabalho – que declarou a greve ilegal; o sindicato pelego – que autorizou as demissões de grevistas; e o Estado – a prefeitura, que não reconhecia as reivindicações e a organização autônoma dos trabalhadores e tentava fazer terrorismo sobre eles.

A vitória foi conquistada exatamente porque ousaram ir ao combate sem temer, rechaçando os métodos tradicionais de luta limitados pela legislação sindical. Tomaram as ruas em manifestações diárias, se negaram a reconhecer a falácia burocrática de necessidade de “preservação das atividades essenciais”, deixando o lixo nas ruas para o prefeito recolher. A democracia operária se fez valer pela ação da comissão de base que era acompanhada por milhares de trabalhadores na frente dos prédios onde ocorriam as negociações.

O prefeito playboy e fascista Eduardo Paes teve que engolir todo o lixo que vomitou sobre os grevistas – ao dizer que o movimento era só de 300 garis e taxando a greve como “motim”. Nem com o suporte da polícia e das organizações Globo conseguiu desmontar a greve e tirar o lixo das ruas. Viu que não tinha saída senão reconhecer a grandeza do movimento, concedendo o reajuste salarial e cancelando as demissões.

Esse é o tipo de mobilização operária resultante dos novos níveis da luta popular após as jornadas de junho de 2013. Pois tremam grandes burgueses, latifundiários e políticos canalhas de todos os tipos, pois o 2014 de lutas está só começando!

Viva a luta dos garis cariocas!

Viva a luta independente e classista!

Não vai ter copa!

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin