UE: quase um quarto do povo na pobreza

http://www.anovademocracia.com.br/128/1b.jpg
Idosa pede esmola em Portgual: retrato da situação da Europa

A organização Rede Europeia de Luta contra a Pobreza informou em fevereiro que praticamente um quarto da população somada dos países que integram a União Europeia se encontra atirada à pobreza ou sob risco iminente do que se chama de “exclusão social”, ou seja, sem acesso a moradia, educação, saúde e tudo mais que seria necessário para um trabalhador levar uma vida digna.

Em números mais precisos, estão hoje nesta condição na UE nada menos que 124,5 milhões de pessoas, ou 24,8% da população do “bloco”. Trata-se do resultado do mais amplo e draconiano arrocho já dirigido às classes trabalhadoras pela grande burguesia, seus paus-mandados ditos “presidentes” e “primeiros-ministros” e suas instituições “multilaterais” em toda a história do capitalismo em sua fase monopolista.

Estes dados ridicularizam a chamada “Estratégia 2020”, lançada pela Comissão Europeia em março de 2010 como uma das ações da Europa do capital monopolista para fazer fumaça à inexorabilidade da corrosão das suas próprias estruturas e do sistema geral de exploração do homem pelo homem. Naquela feita, a Comissão Europeia estabelecia como meta a ser cumprida na década que então se iniciava: “tirar 20 milhões de pessoas da pobreza”.

Já o desemprego registado no final de janeiro nos 28 países da União Europeia foi de 10,8%, ou 26,2 milhões de residentes na UE sem trabalho, sendo que entre os jovens com até 25 anos de idade a taxa já passa dos 23%. Delimitando o perímetro do desemprego na zona do euro, a taxa geral sobe para 12% e bate nos 24% entre os jovens. O cotejo da taxa de desemprego com o índice de pobres da Europa evidencia ainda, portanto (tendo em vista a distância entre as porcentagens da pobreza e da taxa geral de desemprego), a precarização do trabalho e a deterioração dos salários, tendo em vista que há milhões de europeus “empregados” que não conseguem ficar imunes às mais dramáticas consequências da degradação das condições de vida das classes populares.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro