Uma conversa a três: Aznar, Bush e Néstor Kirchner

A- A A+
Muito importante a revelação do canal argentino Urgente 24, que no dia 22 de agosto reproduziu a conversa mantida em 23 de julho por George Bush e Néstor Kirchner sobre o motivo da visita do mandatário argentino ao USA.

O assunto tem plena vigência no início de uma semana que se presume chave para os interesses da “utilities” estrangeiras — entre as quais se encontram, naturalmente, várias proeminentes empresas espanholas afincadas na Argentina, que esperam uma revisão das tarifas dos serviços públicos que prestam, congeladas há muito tempo.

O “cidadão K” tem recebido plenos poderes do Senado argentino para operar, ainda que o que possa fazer este homem — com as tarifas e com a própria Argentina — continue sendo um mistério.

Mas, voltemos ao encontro Bush-Kirchner, que é revelador das correntes subterrâneas que movem as relações entre países, das favoráveis consequências que para a Espanha têm o apoio à política ianque de luta contra o terrorismo — sendo o terrorismo o primeiro problema espanhol — e do escasso apreço que na Casa Branca têm populismos como o que pratica o “amigo K”.

Os pormenores da entrevista têm sido cuidados — por motivos desconhecidos, mas fáceis de imaginar — pelo adjunto ao presidente do USA para assuntos latino-americanos, Roger Noriega, em visita a Buenos Aires no final de agosto.

O conteúdo do diálogo foi lido, com pontos e vírgulas, na manhã do citado dia 22, pela rede Rádio 10 — que “coincidentemente” é controlada pela holding ianque Emmis Communications — e Urgente 24, que com a sagacidade que lhe é característica, imediatamente fez eco. Salvo erro ou omissão, nenhuma só referência a este diálogo apareceu nos meios de comunicação espanhóis.

As palavras de Bush são meridianamente claras em defesa dos interesses espanhóis na Argentina, e vêm demonstrar o grau de estreita e real amizade que hoje une George Bush e Jose Maria Aznar, ambos disposto a se mostrar diante de Kirchner como uma unidade indivisível. Detalhe: a entrevista durou 13 minutos e 36 segundos. Bush falou por 9:55 (tempo suficiente para ler a cartilha a seu convidado) e Kirchner 3:41 (balbucios incluídos).

Nas saudações protocolares se perderam 40 segundos!

Este é o trecho da conversa reproduzida por Urgente 24:

George Bush: Presidente, mandei chamá-lo pelo expresso desejo de meu amigo, o presidente Aznar, que ficou um tanto preocupado pelo efeito que teve sua recente viagem pela Europa, especialmente pelas dúvidas que suas palavras deixaram entre os empresários espanhóis durante sua visita a Madrid, que têm muitas inversões de capital em seu país.

Néstor Kirchner: Presidente, agradeço o convite. Minha viagem pela Europa foi exitosa. Assim como é certo que houve um intercâmbio de opiniões com empresários, não creio que estas diferenças são para tanto.

GB: Reitero que o chamei para manifestar-lhe que o presidente Aznar é meu amigo pessoal, além de amigo do USA, como ficou demonstrado no papel que a Espanha desempenhou nesta guerra no Iraque, e, se ele está preocupado eu também estou. Além disso, é importante que você saiba que todas as questões de Estado referidas à América Latina são de interesse do USA e de seus aliados, como hoje é a Espanha. Nos preocupam algumas questões pontuais, como a Colômbia, a Tríplice Fronteira ou a situação da Bolívia, pelo avanço da esquerda.

NK: Por isso não se preocupe, não sou de esquerda, mas peronista. Ademais, a esquerda latino-americana tem se modernizado muito ultimamente. Veja o caso do Brasil.

GB: Por isso não me preocupo. Com o presidente Lula estamos em um magnífico momento de nossas relações bilaterais. De fato, para nós, Lula hoje é o principal aliado na América Latina e um seguro de que a liberdade, o capitalismo e a democracia serão as idéias-força preponderantes na região.

NK: Presidente, meu país tem sofrido muito nos últimos anos, uma situação da qual está disposto a sair e eu estou convencido de que assim será. Para nós, é muito importante o apoio do USA neste processo.

GB: Desde agora, o apoio é total. Saiba você que o segredo do êxito não está tanto nos apoios internacionais que possa conseguir —muito importantes, por certo —quanto na habilidade dos dirigentes para conduzir a crise e no interesse de um povo para superá-la. Para o USA, a guerra contra o terrorismo significa uma nova batalha que devemos superar no definitivo caminho até a liberdade de todos os povos do mundo. Porque, como você, e nisto somos muito estritos, não apoiamos regimes nem governos que não proponham estes princípios básicos para o desenvolvimento humano.

NK: Na América Latina apoiamos também a luta antiterrorista. É um flagelo tremendo que os argentinos têm sofrido na própria carne e que não queremos voltar a padecer nunca mais. Saiba que tem um aliado para esta causa neste presidente.

GB: Obrigado por suas palavras. Estou seguro de que a Argentina retomará seu rumo rapidamente e que conseguirá superar esta crise. Espero que seu povo o acompanhe nesta difícil tarefa. Muito obrigado novamente por seu apoio e espero que goste de nosso país.

NK: Muito obrigado, presidente.


Toledo e Lula, aliança estratégica do imperialismo

Luis Inácio, o “bem amado” presidente do Brasil, chegou ao Peru (domingo, 24 de agosto), segundo a versão oficial para “estabelecer com seu homólogo peruano, Alejandro Toledo, uma aliança estratégica binacional. Nesse sentido, ambos subscreveram na segunda, 25 de agosto, os acordos de livre comércio, integração viária e vigilância da Amazônia. A visita de Luis Inácio também levantou o telón de um novo cenário: o ingresso do Peru no Mercosul”.

Luis Inácio chegou acompanhado de uma centena de empresários de seu país e, como havia dito à imprensa peruana, assinou um acordo com Toledo no qual ambos os países acordam em fortalecer o Mercosul. Conhecendo a política de Toledo (pró-imperialista e reacionária) e a de Lula (demagógica, mas tão de direita quanto a de Toledo), não cabe dúvida que esta aliança deverá favorecer a exploração do povo peruano e entregar maiores vantagens para as transnacionais imperialistas.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja