Editorial - A moral dos convertidos


Era de se esperar: o terror latifundiário campeia de novo pelo país. A todos ordena. Prende, condena e assassina seletivamente os que estão mais próximos de suas patas. O chapéu texano ordena ao capelo, que ordena aos capacetes azuis, que ordena aos camponeses, que não cumprem. Os trabalhadores não sairão da terra (se saírem, retornarão em seguida) porque aquela é a sua terra, nunca a da oligarquia latifundiária que se associa aos gringos e expropria o nosso país.

Em Rondônia, por exemplo, assassinaram um casal, policiais prenderam quase 20 camponeses, depois invadiram a sede da Liga dos Camponeses Pobres e arrastaram dali computador, máquina fotográfica, filmadora, entre outros patrimônios. Com que autoridade? Alegam que a organização camponesa, independente, não tem “personalidade jurídica”.

O governo quer obrigar os camponeses a se enquadrarem no quadro legalista do monitoramento latifundiário e imperialista. Tudo segundo a reforma, de acordo com os quesitos indicados pelo governo para ser legal ou ilegal.

Só se faz o que está na lei? Mas, desde quando? Os latifundiários, a classe dos grandes rentistas, as corporações imperialistas que operam em nosso país e seus burocratas auxiliares, não fazem outra coisa mais senão trair a lei que eles mesmos prescrevem e mudam continuamente prescrevendo outras. Eles mudam os mais acanhados artigos dedicados à soberania nacional e aos últimos fragmentos de garantias democráticas da Constituição. E por que tantas anti-reformas, aprovadas até de madrugada, às pressas, sempre que se anuncia iminente a chegada de levas de trabalhadores em Brasília?

Esse é um dos países que mais produzem leis.

II

A lei é a vontade deles, aplicada com todo rigor (e terror) contra os explorados. Prendem, mas não mandam soltar quando a lei exige. Permitem que policiais se apropriem de patrimônios, até de objetos pessoais, quando a lei os proíbe de agir assim. Matam e fica por isso mesmo.

E o que dizer dos que cometem crimes de traição nacional, como a doação de empresas estratégicas, a sabotagem ao programa espacial, ao submarino nuclear, ao monopólio nacional do petróleo, etc., etc.? Há até um fórum especial para que eles se protejam das suas próprias leis.

Os senhores magistrados e parlamentares, com as exceções de costume, habituados a legislar em proveito do próprio ventre, nunca perderam a oportunidade de alterar os seus proventos, por mais severa a lei de congelamento salarial que estivesse vigente. O que é o Legislativo, senão que uma casa homologatória do Banco Mundial?

Ao cuidar da sua carreira, esses megapelegos convertidos ao imperialismo, que hoje compõem o governo FMI-Frente eleitoreira, fizeram inúmeras greves. Isso não contraria a lei? É mesmo possível pedir permissão para fazer uma greve? Há uma exceção apenas: a greve engendrada com o intuito de agradar aos patrões e ludibriar o povo.

Como exigir que uma corrente tenha personalidade jurídica.Deve-se exigir que tenha personalidade política (coisa que não falta à Liga) e a política deve ter personalidade moral. Mas com que moral se quer calar o melhor da consciência social do povo trabalhador, sem a qual não é possível se defender da exploração, acabar, de uma vez por todas, com o latifúndio em nosso país, assim como abolir todas as relações semifeudais e coloniais no Brasil? Ao contrário, a moral que não serve à política do povo não serve para nada; é falta de compostura.

A moral do povo não dispõe de aparatos jurídicos, como os tribunais, as prisões dos condenados por pobreza, as repartições que cobram impostos, órgãos de disseminação dos ideais imperialistas, etc.

A moral do povo é feita de trabalho produtivo e intelectual, a solidariedade, o espírito de sacrifício, a valentia, a audácia e virtudes pautadas numa consciência social de objetivos claros, plena de compreensão de vida, de obrigações e responsabilidades — que cresce e exige um novo regime econômico e social com a emancipação das classes hoje oprimidas, a independência nacional e a autodeterminação dos povos em todo o mundo.

E essa moral jamais deixou de ter nome completo e endereço preciso, abrigo aberto dos injustiçados, conhecida por toda a gente que vive pelas suas próprias mãos.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin