Tensão se amplia na Ucrânia

A- A A+

http://www.anovademocracia.com.br/130/18c.jpg

A Ucrânia segue no centro das disputas interimperialistas entre o USA/União Europeia e Rússia.

Os últimos lances dão conta de uma corrida armamentista dentro do país, com o anúncio da reintrodução do serviço militar, que havia sido suspenso há um ano. Ao mesmo tempo, o USA envia tropas e armas para os países vizinhos, como a Polônia, claramente dando passos para formar uma barreira anti-mísseis que neutralize o poderio nuclear russo contra o ocidente.

Agentes imperialistas ianques e europeus, além de grupos fascistas, seguem fazendo provocações e empurrando a Ucrânia para a guerra civil.

Ao mesmo tempo, os russos, que já anexaram a Crimeia, avançam em suas pretensões pelo leste da Ucrânia, principalmente em Donetsk, onde prédios da administração estão ocupados por grupos pró-Rússia. O governo títere da Ucrânia colocou o exército em prontidão, mas assumiu que não é capaz de recuperar as posições perdidas no leste, temendo que os pró-russos avancem para o oeste.

http://www.anovademocracia.com.br/130/18d.jpg

Em 25 de abril, sete “observadores” da Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) foram sequestrados por pró-russos, que pretendem trocar os reféns por correligionários presos em Kiev. Até o fechamento desta edição, os “observadores” seguiam prisioneiros.

No dia 28 de abril, o USA e a União Europeia ampliaram as sanções contra empresas, amigos de Putin e militares russos, que terão seus bens no exterior bloqueados e serão impedidos de transitar por esses países.

Em um giro por Chile e Peru, o ministro de Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, à guisa de conciliação, ameaçou: “Não vamos fazer coisas estúpidas rapidamente. Queremos dar aos nossos sócios a oportunidade de se acalmar. Se suas ações continuarem, neste caso, estudaremos a situação”.

Em meio a toda tensão, os próprios russos fingem apelar ao diálogo entre o governo títere de Kiev e as regiões separatistas, ao passo que fomentam a secessão. Por seu lado, o imperialismo ianque/europeu anunciou, através do FMI, o envio de uma “ajuda” de 17 bilhões de dólares a Kiev.

E assim o povo ucraniano se vê espremido entre interesses imperialistas por todos os lados, apesar de haverem organizações revolucionárias, antifascistas e anti-imperialistas que têm combatido nas ruas.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja