Portugal: construir uma revolução sem aspas

A- A A+
http://www.anovademocracia.com.br/130/16-a.jpg
25 de abril: milhares de portugueses foram às ruas em todo país celebrando a data da queda do regime fascista

O bravo povo português, sistematicamente difamado pela imprensa burguesa local e internacional como uma massa passiva, bovina, que apenas vive reclamando e que nada faz para tomar as rédeas do seu destino – como se o monopólio da imprensa reacionária prezasse a insubordinação –, esse povo celebrou no último 25 de abril o quadragésimo aniversário da sua tão estimada e assim chamada “Revolução dos Cravos”, com grandes marchas, vigorosas manifestações e agigantados protestos nas ruas das maiores cidades do país, sobretudo no Porto e na capital Lisboa, munido de profunda consciência de que a luta contra o fascismo não se encerrou 40 anos atrás. Ao contrário: a luta se faz presente, contra a Europa do capital monopolista, na figura da famigerada Troika (FMI, Comissão Europeia e Banco Central Europeu) e seus paus-mandados encastelados no gerenciamento antipovo do Estado português.

A “Revolução dos Cravos” foi o movimento desencadeado pela jovem oficialidade do exército português em abril de 1974 que canalizou a vontade das massas de ver chegar ao fim o fascismo salazarista, quatro anos após a morte do próprio Salazar, e seis depois do seu afastamento da presidência do Conselho de Ministros por motivos de saúde. Porém, o “25 de Abril”, que é como os portugueses preferem chamar o episódio, não teve seu desfecho em um Estado verdadeiramente popular, que atendesse aos anseios de emancipação das classes trabalhadoras portuguesas.

Na lacuna de uma Frente Única das classes populares o oportunismo floresceu e deu frutos, levando Portugal a se enquadrar no modelo burguês da “democracia parlamentar” europeia, por obra e graça do Partido Socialista Português e do Partido Comunista Português, ambos chafurdados na razão eleitoreira, no jogo sufragista que o capital tanto gosta de cultivar e incentivar. Em vez de um programa revolucionário, prevaleceram os chamados “três Ds” (Descolonizar, Democratizar e Desenvolver), mais como um slogan estéril do que como diretrizes autenticamente populares, como não deixa mentir a atual situação daquele país, quatro décadas depois do 25 de Abril, ora sob intervenção estrangeira avalizada pelas classes dominantes parasitárias, como outras elites semicoloniais quaisquer.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Fausto Arruda

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza