Teatro precursor e resistente

A- A A+

http://www.anovademocracia.com.br/130/14a.jpgFazendo teatro que busca indagar e de alguma forma responder questões sociais, a Cia. Fábrica São Paulo completa 31 anos de existência. Com um trabalho intenso e espetáculos nada convencionais, com o público caminhando com a cena, o coletivo faz desse público mais que um espectador: uma espécie de testemunha, um elemento a mais na cena.

Surgimos com o propósito de fazer um teatro diferente do que se tinha na época, ocupando espaços que hoje são chamados de não convencionais, e que naquele tempo ainda não tinham esse nome. Procurávamos ocupar galpões, fábricas abandonadas, com espetáculos — conta Roberto Rosa, diretor e ator do grupo.

As apresentações dos espetáculos também eram diferentes, com o público não sentando em cadeiras e sim acompanhando a cena, caminhando com a cena dentro da fábrica. Daí veio o nosso nome — explica.

Em 1986/87 montamos um estúdio de teatro no bairro da Penha, aqui em São Paulo. Era no segundo andar do antigo cinema do Centro Comercial da Penha, com salas, corredores, banheiros, tudo a nossa disposição, por onde passávamos com os espetáculos.

 No final de 1989, segundo Roberto, o Fábrica se viu em falência, porque fazia espetáculos para a ‘elite da elite’ que frequenta teatro.

— Então pegamos o ator trabalhado para estar fora de um espaço convencional de teatro e o colocamos dentro de um teatro de arena, em novo modelo de espetáculo, montando-o em qualquer espaço livre. Assim passamos a nos apresentar nas ruas, sindicatos, empresas, escolas etc, aumentando muito a quantidade de público, tendo condições de sobrevivência.

— Assim, o nosso teatro saiu de dentro das fábricas e foi para onde fosse requisitado. Aumentou em muito o campo para expormos nossas ideias. Nessa época estávamos trabalhando O Arquiteto e o Imperador da Assíria, de Fernando Arrabal, e Alto Mar, de Slawomir Mrozec — acrescenta.

Esses textos, conforme Roberto, trazem uma crítica à sociedade, especialmente as formas de poder, como se organiza.

— Para se ter uma idéia, Alto Mar conta a história de três náufragos muito bem vestidos, dentro de um barco inflável. De repente acaba a comida e eles têm que decidir qual dos três será comido pelos outros dois — conta.

— Como são pessoas da sociedade, o Mrozec vai fazendo um apanhado nos mecanismos de escolhas que ela oferece. Ele faz uma espécie de raio x na sociedade, do que nos oferece como poder de escolha coletiva.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Mário Lúcio de Paula
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira