Obras da Copa já mataram 14 operários

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

A Arena Pantanal, em Cuiabá - MT, foi palco de mais um assassinato de operário. Na manhã de 8 maio, o operário Mohamed Ali Maciel Afonso, 32 anos, sofreu uma violenta descarga elétrica enquanto trabalhava. Esta é 14ª morte de operário nos canteiros de obra dos estádios ou centro de treinamentos que vem a conhecimento público.

Os operários denunciam a grande pressão feita pelos governos e empreiteiras para acelerar o término da obra. No dia 20 de maio será o "evento teste" para a Copa. A construção da Arena já vem sendo arrastada há 4 anos, desde o dia 26 de abril de 2010, e tem um gasto de mais de 570 milhões de reais, orçamento este que já recebeu diversos aditivos.

Mohamed Afonso, como tantos outros operários país afora, era terceirizado e trabalhava na empresa Etel, que integra o Consórcio CLE, responsável pela instalação dos equipamentos de Tecnologia, Informação e Comunicação da Arena Pantanal e contratada pela Construtora Mendes Junior. Como aconteceu nas mortes anteriores, não havia os equipamentos coletivos de segurança no local. Também devido à correria imposta pelas empresas não são ministrados os treinamentos de segurança necessários e nem equipamentos de segurança individuais e coletivos.

No dia 9, o Ministério do Trabalho determinou a paralisação dos trabalhos de instalação de parte das linhas elétricas na Arena Pantanal "até que a empresa prestadora de serviço Etel comprove que tomou medidas preventivas para garantir a segurança dos trabalhadores". Mais uma vez é tarde demais. Mais um operário teve a vida ceifada pela ganância patronal, pela farra da grande burguesia, das gerências de turno desse velho Estado genocida, e em nome de um "evento" que só tem trazido repressão, remoção e perda de direitos para o povo pobre.

Mohamed deixou dois filhos.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin