Sobre os saques em Pernambuco

http://www.anovademocracia.com.br/132/17a.jpg A greve da PM abalou Pernambuco, não por sua extensão ou radicalidade, mas pela resposta popular à ausência de “autoridade”. Na quarta-feira, 14 de maio, após um protesto contra mais uma morte, por atropelamento, na BR-101 norte, populares saquearam as grandes lojas no centro de Abreu e Lima. No dia seguinte, as cenas de saque se repetiram nas periferias da cidade. Mesmo depois do fim da greve dos policiais, lojas foram arrombadas em São Lourenço da Mata, “a cidade da Copa”.

Os jornais impressos e televisivos, dos monopólios de comunicação, foram unânimes em seus adjetivos: “criminosos”, “vândalos”, “vergonha”. Cobram a punição exemplar e rigorosa dos “saqueadores”, exigem a recuperação das mercadorias “roubadas”, cobram apoio do governo aos comerciantes prejudicados. Cumprem o papel da imprensa burguesa e defendem com firmeza os interesses de seus maiores anunciantes: Eletroshopping, Bom Preço e Insinuante.

Por traz do discurso moralizante, envergonhado, que destaca a cena de uma mãe que devolve o pertence saqueado pelo filho, está a intenção de apresentar o povo como bandido. Esta imprensa faz isto todo dia, do Jornal “Nacional” aos Cardinots da vida, são os mesmos que chamam a juventude combatente de vândala e baderneira.

No twitter da Rocam, ao anunciar o fim da greve, postou: “quem roubou, roubou, quem não roubou não rouba mais”. Grande mentira, no Brasil se rouba todo dia, o imperialismo saqueia nossas riquezas, a burguesia assalta a classe operária e o latifúndio assassina os camponeses, e tudo isto com a proteção da polícia. Chamam o povo de covarde por só saquearem em dia de greve, covardes são eles que para seguir espoliando o nosso povo precisam, cada vez mais, da proteção policial.

O povo não deve envergonhar-se. Ainda está presente em nossa memória os saques dos sertanejos, nos períodos de seca, quando o povo abandonava seus cantos para requisitar do comércio o necessário para viver. “Mas não existe fome na região metropolitana”, contestará alguém. Ledo engano, passa-se fome sim nas cidades brasileiras. Uma grande parte de nossa população não se alimenta direito, até o feijão está faltando a mesa. Ou para utilizar o exemplo do grande cientista Josué de Castro que dizia que a fome no sertão é epidêmica (episódica) e na zona da mata é endêmica (cotidiana).

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro