Índia: Sushil Roy, uma vida dedicada a Guerra Popular

A- A A+

http://www.anovademocracia.com.br/133/20a.jpgNo último dia 18 de junho faleceu, aos 78 anos, o camarada Sushil Roy, membro do Birô Político do Partido Comunista da Índia (Maoísta).

O dirigente comunista faleceu depois de uma longa enfermidade. Ele tinha sido detido em 2005 e condenado a prisão. Foi posto em liberdade em 2012 após pagamento de fiança. Desde então sua saúde piorou.

Sushil ingressou nas fileiras do Partido Comunista da Índia (Marxista-Leninista) em 1963 e mais tarde integrou o Centro Comunista Maoísta, antes da constituição do PCI (Maoísta), organização da qual integrou a direção central.

Na nota de homenagem ao veterano dirigente maoísta publicada pelo Partido Comunista maoísta da Itália, é destacado que, durante sua prisão, Sushil Roy “havia sido medicado inadequadamente, o que fez piorar sua saúde. Mas hoje o imperialismo está em declínio e seus descendentes estão fazendo avançar a guerra popular”.

O relato de uma pessoa que visitou Sushil Roy no hospital nos seus últimos meses de vida conta que o dirigente comunista “encontrava-se em uma condição terrível, mas seus poderes mentais eram tão fortes que o levou a uma recuperação assombrosa durante algum tempo.

Ele combateu a morte como um soldado. Tristemente sua saúde sofreu um revés na primeira semana de maio.”

A nota de um companheiro sobre o falecimento de Sushil Roy publicada em Gran Marcha Hacia el Comunismo resgata a história de uma vida dedicada ao partido e a guerra popular:

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

“Sem dúvida foi um dos maiores dirigentes da história do Movimento Comunista da Índia que iluminou a chama de Naxalbari e do maoísmo.

Com sua tenacidade de ferro dirigiu o PCI (Maoísta). Depois de reunir-me com ele, mudaram alguns de meus pontos de vista sobre o antigo Centro Comunista Maoísta, o qual o camarada foi seu antigo secretário-geral. O Camarada Roy jogou um papel relevante na unificação do CCM e do Partido Comunista da Índia (Marxista-Leninista) Guerra Popular [que deu origem ao PCI (Maoísta) em 2004].

Foi um mestre da dialética revolucionária que pôs em prática e sua experiência jogou um papel valiosíssimo. Empunhou a política marxista-leninista-maoísta com a maestria de um catedrático ou um cirurgião.

Defendeu a ideologia do Partido Maoísta, com unhas e dentes, apesar de ter sido sentenciado a pena de prisão e ter saúde piorada. Esquivou-se de todos os obstáculos e durante toda sua vida combinou as qualidades de um soldado com um arquiteto. Refutou a todos aqueles que trataram de dividir o Partido Maoísta e que foram críticos com a unificação em 2004. O Camarada Sushil Roy faleceu quatro meses depois do 10º aniversário da constituição do PCI (Maoísta). Durante sua vida, ele enfrentou a maior turbulência dos mares. Ele tinha a alma de um verdadeiro revolucionário.”

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja