Há muito tempo, nas águas do Ceará

Há muito tempo, nas águas da Guanabara,
o Dragão do Mar reapareceu
na figura de um bravo feiticeiro...

http://www.anovademocracia.com.br/133/15.jpg

Poucos não conhecem estes versos de O mestre-sala dos mares, belíssima homenagem de Aldir Blanc e João Bosco a João Cândido e à Revolta da Chibata.

O que bem menos gente sabe é que Dragão do Mar se escreve com iniciais maiúsculas – e não minúsculas, como frequentemente se vê em sites e encartes de discos. Afinal, não se trata de nenhum réptil marinho aparentado com o monstro do Lago Ness, mas da alcunha pela qual ficou conhecido outro herói popular homenageado na letra de Aldir: Francisco José do Nascimento (1839-1914), cuja morte completou, há pouco, cem anos.

Esse jangadeiro mulato nascido em Canoa Quebrada (CE) liderou, em 1881, ao lado do capataz negro José Luis Napoleão, um bloqueio ao porto de Fortaleza para impedir a partida de navios carregados de homens e mulheres que seriam vendidos como escravos no centro-sul do Brasil. Seu gesto foi decisivo para que, respectivamente em 1883 e 1884, Fortaleza primeiro e o Ceará depois se tornassem a primeira capital e o primeiro estado (ou província, pelo nome da época) do país a abolir a escravidão.

A vida do Dragão do Mar foi marcada por todas as adversidades que comumente atingem os homens simples que compõem a maioria trabalhadora da população brasileira. Aos 8 anos, perdeu o pai, Manoel, morto nos seringais da Amazônia, para onde partira em busca de uma vida menos árdua que a de pescador. Quem o criou foi a mãe, rendeira, originando a outra alcunha pela qual ficaria conhecido: Chico da Matilde.

Trabalhando desde criança nas lides do mar, Francisco só pôde aprender a ler aos 20 anos. Foi pescador e marinheiro, enveredando também pela construção quando das obras do porto de Fortaleza, em 1859. Em 1874, foi nomeado prático, o profissional que atraca os navios no porto. Isso lhe trouxe algum conforto material, já que, por sua importância na atividade portuária e grau de especialização, a praticagem sempre foi bem remunerada.

Mas essa capacidade de superação não era o maior dos méritos de Francisco nem o que o levou a figurar na letra de O mestre-sala dos mares. Ele era, antes de tudo, um homem de princípios. E na hora de escolher entre o cargo obtido por mérito a duras penas e a lealdade a suas convicções, não hesitou: em 1881, quando os latifundiários cearenses, impossibilitados de manter seus escravos em razão da seca de 1877-79, passaram a vendê-los para Minas, Rio e São Paulo, fechou o porto aos navios que vinham embarcá-los ou desembarcá-los.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro