Velho Estado e patrões retaliam grevistas

A- A A+
http://www.anovademocracia.com.br/133/07b.jpg
Grevistas usam ônibus para ocupar avenida

Dezenas de trabalhadores rodoviários vêm sendo demitidos em São Paulo e na região metropolitana da cidade em retaliação às paralisações realizadas à revelia da direção sindical pelega entre os dias 20 e 24 de maio deste ano. Outros mais devem ser mandados embora logo depois da Copa do Mundo da Fifa. E pior: há informações de que as demissões foram acertadas entre os patrões de pelo menos três empresas e a diretoria do Sindmotoristas (Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo), que estaria tentando, digamos, eliminar a “dissidência”.

Já o “governador” do estado de São Paulo, Geraldo Alckimin, tentou maquiar a retaliação com demissão sumária de 42 trabalhadores do Metrô paulista que participaram ativamente da combativa greve levada a cabo na primeira quinzena de junho por aquela categoria com o curinga preferido dos reacionários de plantão da semicolônia Brasil padrão Fifa: “atos de vandalismo”. Entretanto, ainda durante a greve, o próprio Alckimin cometeu ato falho ao dizer: “Voltando ao trabalho, não haverá mais demissões”.

No dia em que os metroviários paulistanos decidiriam se iriam manter a greve pela readmissão dos 42 funcionários demitidos, o jornal O Estado de S. Paulo, o famigerado “Estadão” - notório vomitador de editoriais antipovo, sempre recheados de ódio de classe e ranço elitista - fez o papel de trombeteiro do gerenciamento Alckmin e colocou na praça a informação de que o “governo” já teria uma lista com até 300 nomes de funcionários que integraram a greve e que poderiam ser demitidos em caso de nova paralisação, e mais: que “o metrô não teme a falta de funcionários para operar o sistema, ainda que demita de fato 300 pessoas”, em uma clara tentativa de semear a intimidação e o divisionismo durante o dia para que ambos florescessem na forma de capitulação à noite, na assembleia.

Poucas vezes, aliás, dada a importância da Copa do Mundo para as grandes empresas de comunicação e para os parasitas em geral, o monopólio da imprensa se esganiçou com tanta raiva contra uma greve como contra esta dos metroviários de São Paulo, repetindo ad infinitum e a máximos decibéis a cantilena suja dos “transtornos à população”, tentando jogar povo contra povo.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja