Recife: luta combativa dos rodoviários arranca direitos

A- A A+
Pin It



Aconteceu em Recife (PE) durante três dias, de 28 a 30 de julho, uma combativa greve dos trabalhadores rodoviários da Região Metropolitana.

No ano passado os trabalhadores rodoviários já haviam realizado uma greve muito combativa logo após as manifestações de junho. O sindicato da categoria se voltou contra o movimento grevista, inclusive dando declarações no monopólio da imprensa combatendo a luta dos trabalhadores.

O último presidente do sindicato era Patrício Magalhães, que já estava há trinta anos no cargo freando a luta da categoria. No mês de maio deste ano, ocorreram eleições para disputar a presidência. A antiga gestão e a CUT foram derrotadas pela chapa encabeçada por Conlutas/PSTU.

Após as eleições para a direção do sindicato, a categoria começou a mobilização e pressão por uma nova greve que ocorreu logo após a Copa da Fifa envolvendo motoristas, cobradores e fiscais.

Em 27 de julho, a assembleia geral da categoria aprovou indicativo de greve. Os trabalhadores exigiam um reajuste de 10% e a elevação no valor do tíquete-refeição de R$ 171 para R$ 320.

Na reunião de negociação do dia 24/07, os patrões reafirmaram que só pagariam 5% no salário e no ticket. Quiseram afrontar a categoria afirmando que, com esse reajuste pífio, ainda seria imposto um banco de horas e que a jornada de trabalho aumentaria. Como protesto, os representantes dos rodoviários entregaram a um representante da patronal um envelope com R$ 5,70 (o que corresponde ao valor diário do tíquete-refeição) desafiando-o a se alimentar com o que ele paga aos funcionários.

O judiciário de Pernambuco cumpriu o papel de cerceadora do direito à greve, exigindo que, nos ‘horários de pico’, 100% da frota circulasse. E durante todo o período de greve, terceirizados (fura-greves) assumiram o posto dos motoristas e cobradores. Mas os trabalhadores não se intimidaram.

Durante três dias os grevistas encostaram ônibus nas principais avenidas, esvaziaram pneus e ‘liberaram catracas’ para a população como protesto. A população apoiou e fortaleceu o movimento fechando avenidas, fazendo transbordar sua revolta contra os péssimos transportes, seguindo o exemplo do que já ocorreu em outras regiões do país, quebrando e incendiando ônibus. Uma pessoa chegou a ser presa e liberada após pagamento de fiança, acusada de depredação de ônibus.

No dia 30 de julho, após dissídio coletivo no Tribunal Regional do Trabalho, a greve terminou com as reivindicações atendidas.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja