USA e associados atiram Líbia à guerra civil

A- A A+

Nem bem o bloco de poder capitaneado pelo USA comemorava a reativação do maior campo de petróleo de mais um país recentemente atacado pelos ianques e pelas potências capitalistas europeias, a Líbia, a violência sem fim voltava a recrudescer naquela nação do Norte da África atirada ao olho do furacão da sanha imperialista por um “Novo Oriente Médio”, ou seja, por uma região do globo totalmente a mercê dos interesses dos monopólios transatlânticos e da estratégia de dominação global delineada por Washington.

http://www.anovademocracia.com.br/136/17.jpg
Foto tirada em 2011 mostra um miliciano se posicionando em frente a uma refinaria

No último 11 de julho, a Companhia Nacional de Petróleo da Líbia comemorava a produção de 90 mil barris de petróleo no dia anterior no campo de El Sharara, entregue à maior transnacional de energia hispano-americana, com sede na Espanha, a Repsol, um dos países europeus envolvidos nos ataques da Otan lançados ao território líbio há cerca de três anos.

Poucos dias depois o “primeiro-ministro” líbio, Abdullah Thani e o monopólio internacional da imprensa burguesa comemoravam a reativação da exportação da produção de El Sharara. Thani chegou a decretar o fim da “crise do petróleo” no país, em alusão ao período subsequente à invasão levada a cabo pelo USA e pela União Europeia no qual muito da infraestrutura líbia para produção e escoamento de petróleo foi danificada, tomada por “rebeldes” ou esteve paralisada por protestos populares ou quaisquer motivos em função da violência e do caos instaurados pelas potências capitalistas, em empreitada com o fim de substituir a administração de Muammar Khadafi, próxima do imperialismo russo e “dura na queda” nas negociações vende-pátria com os monopólios internacionais — a velha raposa sabia se movimentar como poucos entre as contradições interimperialistas —, por outra mais fácil de ser manejada pelo “Ocidente”.

Semeiam a barbárie e fogem da violência

Antes que este festivo julho terminasse, entretanto, a mesma Repsol, bem como a petrolífera italiana Eni e a francesa Total, anunciaram que estavam retirando seus executivos da Líbia devido à “escalada da violência”, sobretudo devido aos seguidos e sangrentos combates entre grupos armados rivais pelo controle do aeroporto de Trípoli desencadeados a partir do dia 13 daquele mês, quando escaramuças na principal porta de entrada e saída do país deixaram 7 mortos e 36 feridos, e por causa do incessante fogo cruzado em Benghazi, em meio à disputa pelo controle da segunda maior cidade líbia.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja