Mulheres estupradas por PMs no Rio

A- A A+
 

No dia 6 de agosto, três mulheres foram à 25ª DP, no Engenho Novo, Zona Norte do Rio de Janeiro, e registraram uma ocorrência acusando policiais da Unidade de Polícia Pacificadora da favela do Jacarezinho de estuprá-las na noite anterior.

http://www.anovademocracia.com.br/136/08a.jpg
Um dos agentes de repressão acusados de estupro

As jovens contaram que haviam ido à favela de madrugada para convencer uma amiga usuária de crack a deixar a cracolândia que existe no local e ir para casa. Foi quando um grupo de policiais abordou as três mulheres com ameaças e intimidações. Elas foram conduzidas para um barraco abandonado na favela. Um policial ficou na entrada do imóvel vigiando a movimentação, enquanto outros três praticavam toda ordem de sevícias e torturas contra as vítimas.

Horas mais tarde, a Polícia Civil solicitou o comparecimento de todos os 60 policiais que estavam de plantão na UPP naquele dia para que as vítimas pudessem reconhecer seus agressores. Foram presos os policiais Gabriel Machado Mantuano, Renato Ferreira Leite, Wellington de Cássio Costa Fonseca e Anderson Farias da Silva. Eles vão responder pelo artigo 232 do Código Penal Militar (constranger mulher a conjunção carnal, mediante violência ou grave ameaça), além de abuso de autoridade. O PM Anderson Farias da Silva também foi indiciado pelo crime de roubo do celular de uma das mulheres. Outros dois PMs estão presos administrativamente. Todos foram encaminhados para o Batalhão Especial Prisional da polícia, em Benfica, também na Zona Norte.

Na favela do Jacarezinho, dois dias depois, moradores conversaram com nossa reportagem e disseram que as três mulheres não foram as primeiras vítimas desse bando de estupradores. De acordo com a população, além de estupros, PMs da UPP praticam todo tipo de violência contra moradores, como agressões, torturas e assassinatos.

Já mataram vários aqui no Jacaré. Um montão de moleques que você vê na televisão que a UPP matou, que era traficante, que era ladrão, tudo mentira. As mães aqui na favela têm que enterrar seus filhos como bandidos, porque a UPP mata trabalhador e diz que era bandido. Pegam morador no beco e esculacham, não querem nem saber se é trabalhador. É tapa na cara, “encosta na parede”, “está vindo de onde?”. Não respeitam as mulheres, ficam mexendo, assoviando, desrespeitam as esposas, as filhas dos outros. O povo aqui já não aguenta mais isso. Só eu conheço umas cinco meninas que também foram estupradas, mas elas moram na favela e têm medo de denunciar. Essas garotas só denunciaram porque não moram aqui. Senão iam ficar com medo também. Eles pegam e somem com você. Essa é a vida de quem mora aqui. A gente vive com medo. Amanhã ou depois, a vítima pode ser você, sua filha, sua vizinha — alerta uma moradora que preferiu não se identificar.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia
LEIA TAMBÉM

Edição impressa

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

PUBLICIDADE

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!
#
#
#

ONDE ENCONTRAR

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja