Estado de quem?

Fórum Nacional aperta o controle sobre a estrutura de governo e determina repressão

Na 1ª quinzena de maio, AND noticiou o encontro de 2014 do Fórum Nacional, mecanismo-matriz de ação política dos fatores de poder que controlam o Brasil. Light, Oi, Bradesco, Andrade Gutierrez, Klabin, Itaú, Gerdau, Odebrecht, Banco Safra, Camargo Corrêa, Sebrae, Fiesp, CNI, Firjan, Icatu, BBM, Ultra, Embraer, Bovespa, Ibmec, Natura, Renova e o Instituto Brasileiro do Petróleo (IBP, biombo das transnacionais do setor), além do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e das estatais Caixa, Correios, Petrobras, Banco do Brasil, BNDES, Finep e IPEA financiaram uma reunião de três dias destinada a consagrar a recandidatura presidencial de Dilma Rousseff e transmitir-lhe algumas “orientações”.

Estas últimas vieram a público após o fechamento da edição de maio. A leitura do documento que as contém, apresentado pelo superintendente geral do Fórum, João Paulo dos Reis Velloso, ajuda a entender o que vem acontecendo.

Três R

Ministro do Planejamento de 1969 a 79, Reis Velloso é o principal articulador do grupo o sintetizador habitual das diretrizes necessárias aos objetivos estratégicos dos monopólios nele congregados. A orientação que emerge do programa lido por ele se resume em três palavras começadas com R: regressiva, recessiva e repressiva.

Os dois primeiros aspectos talvez escapem à primeira leitura de quem não está acostumado aos textos do Fórum. Seja propositalmente, já que a ambiguidade é uma característica usual deles; seja por expressar posições de uma burguesia desnorteada desde 2008, quando tem início a crise econômica em curso, o documento parece ir numa direção para logo tomar outra. Reis Velloso fala em industrialização e termina defendendo uma economia primário-exportadora; e diz que o Brasil precisa crescer no mínimo 5% ao ano mas prega, ao mesmo tempo, medidas recessivas, como o corte de benefícios previdenciários.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro