BA: policiais suspeitos de esquartejar jovem

A- A A+
Pin It
Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

No último dia 02 de agosto, Geovane Mascarenhas de Santana, 22 anos, desapareceu após uma abordagem policial efetuada pelas Rondas Especiais (Rondesp), no bairro da Calçada, em Salvador - BA. Imagens de uma câmera de segurança mostram que os policias agiram de forma brutal, desferindo socos e pontapés. A mesma filmagem mostra ainda que o rapaz foi colocado no porta malas da viatura e levado.

O simples fato da violência com que os agentes da repressão do velho Estado abordaram o rapaz já seria motivo suficiente para indignação, mas infelizmente o que ocorreu na sequência do caso é muito mais grave que uma abordagem violenta. Com o desaparecimento, o pai de Geovane, o comerciante Jurandy Silva de Santana, iniciou uma verdadeira busca para obter notícias de seu filho. Foi o pai quem conseguiu as imagens que mostram a abordagem policial.

No dia 15 de agosto Jurandy recebeu a triste notícia de que partes de um corpo encontrado na cidade eram de seu filho. No entanto, o pai não reconheceu tais partes apresentadas, pois não havia provas suficientes que pertencessem a Geovane, o corpo apresentado estava carbonizado e esquartejado. Os assassinos fizeram de tudo para evitar o reconhecimento do corpo, segundo o Departamento de Polícia Técnica. Até mesmo uma tatuagem que o rapaz tinha foi retirada com um objeto cortante. O reconhecimento do corpo só ocorreu de fato no dia 19/08 após diversas análises papiloscópicas (impressão digital) e de DNA.

Além das filmagens que mostram a ação violenta, outro fato chama a atenção: o GPS da viatura parou de funcionar justamente após a abordagem. Os policiais suspeitos são o subtenente Cláudio Bonfim Borges, comandante da guarnição que aparece nas imagens, e os soldados Jailson Gomes de Oliveira e Jesimiel da Silva Resende. Os três são lotados na Rondesp da Bahia de Todos os Santos e estão presos preventivamente por 30 dias. Todos negam participação no caso.

Como já é rotineiro no velho Estado Brasileiro, a ameaça também faz parte deste caso. Alguns jornalistas receberam ligações com intimidações, para que não investigassem o assunto, e o pai de Geovane foi alertado pelo secretário interino de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos do Estado (SJCDH), Reginaldo Silva, à não andar a noite pelas ruas e tomar o máximo de cuidados em seu dia a dia, ou seja, Jurandy perde seu filho de uma forma violentamente inaceitável e ainda tem que conviver com o medo de ser a próxima vítima deste Estado fascista em que vivemos.

Com a forte repercussão do caso, representantes da gerência estadual e do comando das forças de repressão adotaram um tom de “punição aos culpados”, usando como sempre seus discursos vazios. Tais figuras tentam passar a ideia de que são casos isolados na polícia, que a corporação não aceita tais práticas. No entanto, quem vive nas periferias do Brasil sabe muito bem que não são apenas casos isolados, inúmeras são as denúncias de abusos e violências perpetrados por esta instituição fascista.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja