El Salvador: camponeses mortos e uma lei engavetada

A- A A+
http://www.anovademocracia.com.br/138/16.jpg
Camponeses, índos e ecologistas protestam contra Pacifie Rim

Camponeses salvadorenhos e entidades estão exigindo de Salvador Sánchez Cerón, gerente do novo “governo” empossado em junho último, uma lei definitiva proibindo a mineração de ouro e prata em vários departamentos (estados), entre eles o de Cabañas, no norte do país, onde a revolta é maior.

O contrato de extração desses minérios pertencia à transnacional canadense-estadunidense Pacific Rim Mining até o ano passado, quando após causar problemas ambientais e também ser apontada como suspeita de ordenar assassinatos de líderes comunitários/camponeses, foi vendida à australiana - coreana Oceana Gold.

Apesar de Sánchez Cerón ter prometido em sua campanha eleitoral proibir essas atividades mineradoras (jornal Contrapunto), existem razões para duvidar.

Isso porque seu partido, a Frente Farabundo Martí para a Libertação Nacional (FMLN), da “esquerda” oportunista eleitoreira, está na gerência federal desde 2009 e até agora o que fez foi colocar cortinas de fumaça, ou seja: adotou apenas medidas provisórias e tímidas quanto ao problema mineiro, além de não mandar investigar ou fazer vista grossa às apurações falhas dos assassinatos.

Uma das entidades que exigem a proibição definitiva, a Mesa Nacional Frente à Mineração Metálica, criticou numa nota de outubro do ano passado: “... o debate real em torno das implicações da mineração continua silenciado em El Salvador”.

Propaganda massiva e conversa fiada

Em 2004 a Pacific Rim obteve a licença para a exploração e logo identificou 25 jazidas de ouro e prata em 7 estados, incluindo Cabañas, uma das zonas mais pobres do país centroamericano. Naquele estado quase 70% dos habitantes são camponeses mestiços indígenas, que cultivam café, cana, frutas, hortaliças, etc, e criam algum gado. Seu solo é rico em ouro, prata e cobre.

Conforme artigo do jornalista Giorgio Trucchi, publicado na internet no dia 10 de setembro último, o plano da transnacional era utilizar no seu projeto mineiro denominado El Dorado “uma média de 2 toneladas diárias de cianeto e quase 900 mil litros diários de água, isto é, a mesma quantidade que uma família camponesa consumiria em quase 20 anos. O depósito para rejeitos líquidos contaminados com cianeto e mercúrio ocuparia 35 hectares, com paredes de 30 metros de altura”.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja