Chile: punição para os torturadores

A- A A+
Pin It
Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Milhares de pessoas tomaram as ruas em diversas cidades do Chile entre os dias 7 e 11/9, quando completaram-se 41 anos do golpe militar. Familiares de desaparecidos políticos, jovens e velhos militantes protestaram e exibiram cartazes com as fotos dos mortos pelo regime militar fascista de Agusto Pinochet (1973-90). Em Santiago, capital, no dia 7/9, cerca de cinco mil pessoas participaram do protesto exigindo punição para os criminosos militares. Mais de 8 mil policiais realizaram o cerco ao protesto e, no encerramento, ocorreu um grande confronto entre manifestantes e as forças de repressão. Jovens com os rostos cobertos responderam as bombas e canhões de água com pedras e coquetéis molotov.

Barricadas foram erguidas no Cemitério Geral, lugar do Memorial do Preso Desaparecido e Executado Político.

Em diversas regiões do Chile, foram feitas pichações nos muros e fixadas faixas e cartazes em memória dos mártires. No dia 8, uma explosão em uma estação de metrô de Santiago, taxada pelo governo como “atentado”, deixou 14 feridos e foi fartamente utilizada pelas “autoridades” para tentar esvaziar os protestos e incrementar o aparato de repressão.

No dia 11, data do aniversário do golpe, ocorreram novos protestos e confrontos na capital. Barricadas foram erguidas em vários bairros. Pelo menos oito agentes policiais ficaram feridos. Dez distritos da região metropolitana ficaram sem energia, segundo informações da companhia Chilectra, em consequência de ações de sabotagem.

Segundo informações daimprensa chilena, durante os protestos em San Benardo, o oficial carabinero (policial) José Herrera Elgueta foi atingido por uma coronhada no rosto e levado em estado grave a um hospital. Em Renca o segundo-sargento José Cid Manríquez foi baleado no pé. Em Melipilla, manifestantes atacaram carabineros com coquetéis molotov, ferindo quatro.

Centenas de manifestantes protestaram diante do Estádio Nacional, considerado como o principal centro de detenção, tortura e assassinato da época. Foam cantadas músicas de Victor Jara, conhecido artista popular barbaramente torturado no estádio, tendo seus dedos quebrados e língua cortada pelos verdugos.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja