A falha estrutural da economia brasileira

A- A A+

http://www.anovademocracia.com.br/139/05.jpg

Notícia recente baseia-se em levantamento da consultoria espanhola Transactional Track Record (TTR), conforme o qual, até agosto deste ano, R$ 14 bilhões foram injetados em companhias brasileiras pelos fundos de ações.

2 Essa quantia equivale ao total de 2013. Segundo a mesma fonte, mais R$ 14 bilhões estão no caixa desses fundos para aplicar, e a norte-americana Advent finaliza a captação de um fundo de US$ 2 bilhões. Outra americana, a Carlyle - que aplicou em fatias de firmas como RiHappy e Tok&Stok por meio de fundo levantado em 2010 -, está captando cerca de R$ 1 bilhão no país.

3 O Gávea Investimentos, criado pelo ex-presidente do Banco Central Arminio Fraga, e controlado pelo JP Morgan, conclui a captação de um fundo de US$ 1,1 bilhão. Em agosto, o Pátria - no qual a gigante americana Blackstone detém 40% - anunciou novo fundo de US$ 1,8 bilhão. A expectativa é que BTG e Vinci Partners também levantem recursos no fim do ano.

4 Esses dados significam crescente controle da intermediação financeira por bancos e fundos transnacionais, além do óbvio incremento da participação do capital estrangeiro em empresas privadas nacionais ou estatais, o que, por sua vez, importa em maior influência nessas empresas e na eventual aquisição do controle de muitas delas.

5 Os investimentos em carteira (ICs), rubrica que engloba as aplicações em ações e também as em títulos de renda fixa, acumularam, de janeiro a julho de 2014, entradas líquidas de US$ 24,8 bilhões, apesar de saídas líquidas de US$ 2,5 bilhões em julho. Nesse período de 2013, o total fora US$ 15,9 bilhões.

6 Até o final de 2014, é provável, pois, que esse montante suba para em torno de US$ 35 bilhões, o que, somado a investimentos estrangeiros diretos (IEDs) da ordem de US$ 60 bilhões, mantém o nível de 2013.

7 Os investimentos estrangeiros no Brasil continuam atingindo quantias anuais elevadíssimas, da ordem de 5% do PIB, haja vista os totais dos últimos quatro anos, para, respectivamente, IEDs e ICs, seguidas da soma de ambos, em bilhões de dólares: 2010: 48,5 + 48,6 = 95,1; 2011: 66,7 + 18,5 = 85,2; 2012: 66,3 + 16,5 = 81,8; 2013: 64,0 + 34,7 = 98,7. (Dados do Ministério da Fazenda)

8 Essas quantias têm sido suficientes para “equilibrar” o balanço de pagamentos, em face dos déficits nas transações correntes (TCs) com o exterior, resultado de exportações menos importações de bens e serviços.

9 De fato, o Brasil extrai e exporta (nem estou mencionando o descaminho via fronteiras mal controladas) recursos naturais de forma intensa e crescente, e paga por bens e serviços importados de alto valor agregado e, em geral, superfaturados.

10 Isso gera os déficits nas transações correntes (TCs). Após crescer contínua e aceleradamente desde 2007, o déficit de conta corrente foi de US$ 81,4 bilhões em 2013, e se mantém nesse nível, que é só um pouco inferior à atual entrada de capitais estrangeiros.

11 Ora, esses capitais agravam as deficiências estruturais da economia brasileira, a qual, fraca, devido à desnacionalização, ficou adicta à droga que produz essa fraqueza.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja