Uruguai: A grande greve na saúde pública termina vitoriosa

A- A A+
Montevidéu - Após um grande conflito de 56 dias — iniciado com ocupações de policlínicas em bairros periféricos, uma paralisação generalizada, dirigida pela Federação de Funcionários da Saúde Pública e pelos médicos do Sindicato Médico do Uruguai, seguido por ocupações dos principais hospitais do país durante 33 dias —, foi firmado o acordo com o governo no dia 12 de setembro. 

A luta foi concentrada no aumento salarial fixo de 2 mil pesos, cerca de 70 dólares, para todo o pessoal não médico (que recebe em média 4.500 pesos) e de 1.500 pesos para os médicos que recebiam menos de 4.500. Havia outros pontos, onde se avançava na estabilidade trabalhista, e diversos temas econômicos.

O governo, ao longo desse conflito, decretou esses serviços como essenciais, reprimiu e, inclusive, desalojou um hospital com a ajuda da polícia. Também utilizou a Justiça, obrigando os dirigentes a se apresentarem. Ameaçou os trabalhadores, constantemente usando a expressão “terroristas assistenciais” para se referir aos trabalhadores. Ao mesmo tempo, afrouxou — não de todo, porém, na maior parte dos pontos não salariais — concedendo um aumento por parcelas de 800 e 1 mil pesos que, nas condições atuais, para os 10.500 trabalhadores e mais de 2 mil médicos que recebem 1.500 pesos é uma vitória importante, pois os servidores em geral receberam algo em torno de 2% de aumento.

A luta abriu caminho, desde as últimas eleições do sindicato, quando surge uma nova direção com mais peso classista e de estilo democrático, se erguendo da base uma onda incontida. Ao final, 20% da assembléia queria manter o movimento.

Entre os médicos, ocorreu algo distinto: a direção moderada perdeu várias assembléias ante à firmeza dos trabalhadores em geral e não pôde mais resistir. Isso pesou, num país onde à crise e à recessão se somam, agora, mais tarifas, o aumento de mais de 50% sobre o preço da carne, etc.

No movimento sindical, desta vez, o apoio foi maior por pressão do classismo que ganhou posições, e das massas em geral que o apoiaram desde o início da luta. Foi concretizada a Paralisação Geral em 28 de agosto, atingindo seus objetivos, com as ações nos hospitais e várias passeatas — a das ‘túnicas brancas', de 4 de setembro, que reuniu 20 mil pessoas, foi decisiva para definir o movimento.

Na luta, o governo foi obrigado a substituir o ministro da Economia. Não só por essa razão, houve uma crise no Ministério da Saúde Pública, acompanhada de renúncias.

Em resumo, o combate não se generalizou, como pretendia o movimento, porém mostrou, na prática, ser possível derrotar o governo na luta por salário e saúde.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja