... mas nada mudou

A- A A+
O atual governo continua seguindo apolítica macroeconômica do antecessor. De verdade, com relação a salários, nada mudou no governo Lula até agora. Se olharmos os primeiros seis meses deste ano, meses que já têm estatísticas neste momento, notamos um aumento de salário nominal e real para o trabalhador. Mas se pegarmos o período de uma no — junho 2002/junho 2003 — veremos que continua havendo perdas salariais e que este número aumentou. Nota-se que não existe uma política específica para salário.

Isso é o que afirma o economista do Dieese/RJ (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócios Econômicos do Rio de Janeiro), Adhemar Mineiro. Segundo ele, esse aumento, em curto prazo, do salário nominal e real do trabalhador notificado pelo governo aparece porque esses primeiros seis meses do ano — governo Lula — são comparados ao salário de dezembro do ano passado, quer dizer, o último do governo Fernando Henrique, parecendo que houve melhora por causa do medíocre reajuste de abril. No entanto, quando se compara junho de 2002 a junho de 2003, aparece a realidade: o salário do trabalhador está valendo menos. O seu poder aquisitivo diminuiu ainda mais.

O artifício do “aumento ”

“Esses reajustes vêm sendo dados, nos últimos anos, no nível da inflação anterior ou um pouco mais do que isso. Como a inflação é prevista para um ano, se olharmos somente um semestre, veremos registrados que aquele período foi melhor do ponto de vista da renda do trabalhador. Porém, quando olhamos para o período de um ano, vamos ver quedas”, argumenta.

Adhemar, que já foi presidente da Associação de Economistas da América Latina e Caribe, explica que o primeiro semestre do ano apresenta um aumento no nível de rendado trabalhador, porque está impactado pelo aumento de 20% do salário mínimo, que ocorreu em abril. Porém, isso não produz compensação na economia em um período mais longo. A queda salarial é bastante previsível numa economia com altas taxas de desemprego e, consequente fragilização por parte do trabalhador na hora da negociação de salário com o empresariado.

“Com uma alta taxa de desemprego influenciando no poder de barganha do trabalhador— é o trabalhador que está disputando o emprego, e não o empregador que está disputando o trabalhador — ele fica sem escolha e acaba aceitando trabalhar por salários cada vez mais baixos, porque vender a sua força de trabalho é sua única forma de sobrevivência”, expõe.

O economista diz também que esse aumento de renda no primeiro semestre tem acontecido há vários anos, desde que os reparos no salário mínimo passaram a ser efetuados sempre nos meses de abril/maio. Quer dizer, esse aumento irreal da renda do trabalhador já acontece desde governos passados, não sendo uma novidade do governo Lula. O ex-presidente Cardoso também poderia, facilmente, demonstrar números positivos quanto à renda do trabalhador nos primeiros meses de 2002 comparados a dezembro de 2001.

Adhemar Mineiro deixa claro que está falando de salários até o limite do salário mínimo, e quem tinha chance de ganhar um pouco mais vai tendendo a voltar para esse limite, passando a existir mais gente perto do piso. “Isso é muito desconfortável. Esse piso mínimo, além de insuficiente para aqueles que o recebem, influencia negativamente pessoasdo setor informal da economia, como faxineiras diaristas, lavadores de carros e outros. Elas começam a não conseguir renda para todos os dias da semana, pelo fato de ter diminuído a renda daqueles que antes contratávamos seus serviços”, adverte.

Segundo Adhemar, o salário mínimo, quando foi criado, não era apenas um, mas vários. “Antes havia muitas variações: por região, categoria profissional, etc. Inclusive, o salário mínimo profissional ou piso mínimo profissional, que existe até hoje para muitas categorias, como engenheiros, advogados, médicos e mais, derivou desse primeiro salário mínimo. Foi um longo processo de unificação que culminou, nos anos 80, comum único salário mínimo. ”

O efeito dominó

O primeiro salário mínimo, com suas variações, surgiu no Brasil em meados da década de 30. A Lei nº 185 de janeiro de 1936 e o decreto-lei nº 399 de abril de 1938 regulamentaram a sua instituição. O decreto-lei nº 2162, de 1º de maio de 1940 fixou os valores destesalário, que passaram a vigorar a partir do mesmo ano. O país foi dividido em 22 regiões— os 20 estados existentes na época, mais o território do Acre e o Distrito Federal. Além disso, todas as regiões que correspondiam a estados foram divididas em sub-regiões, num total de 50, fixando-se um valor para cada uma delas, dando um total de 14 valores diferentes para todo o Brasil.

Todos os gastos do trabalhador contavam no cálculo dos primeiros salários mínimos antes da unificação. Na verdade, teoricamente continuam contando, já que na Constituição em vigor, de 1988, ele é definido nas mesmas bases da sua criação:

Capítulo II dos Direitos Sociais, Art. 7º, Parágrafo IV

Salário mínimo, fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz de atender às suas necessidades vitais básicas e às de sua família com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, com reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo, sendo vedada sua vinculação para qualquer fim.

Segundo o Dieese, com base no maior custo da cesta básica 1, e levando em consideração o preceito constitucional que determina as necessidades que este salário deve suprir para a manutenção do trabalhador e sua família, o valor do salário mínimo mensal necessário, estimado em agosto, deveria ser de R$ 1.359,03, ou seja, 5,66 vezes o piso vigente.


1 Cesta básica: conjunto de gêneros alimentícios que compõe a chamada ração essencial mínima, conforme definida no decreto-lei 399, de 30de abril de 1938, que conta com 13 produtos: carne, leite, feijão, arroz, farinha de trigo ou de mandioca, batata, tomate, pão, café, banana, açúcar, óleo e manteiga.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja