Cultura espúria

Com toda a "vênia", parece que mais uma vez, como nas duas explosões anteriores, o laudo sobre a causa da explosão do VLS - V03 vai ser hipotético, inconclusivo, sem autores ou repuxáveis.

No dia 23 de setembro de 2003, trinta dias após a "explosão", em entrevista concedida para a Rádio CBN no Jornal do Meio Dia, mais uma vez o brigadeiro Tiago da Silva Ribeiro vem a público anunciar, antes mesmo de a "Comissão de Investigação" ter chegado ao término dos seus trabalhos, que a causa da ignição intempestiva do motor A do primeiro estágio do VLS foi "... uma corrente elétrica espúria que nasceu no interior do próprio VLS..." e que assim detonou a espoleta que acendeu o ejetor, dando início à tragédia.

Disse que a "corrente espúria" não veio pela "linha de fogo", isto é, da Sala do Comando da Missão, mas, provavelmente, veio de um outro setor do foguete que estava sendo testado no momento e que a hipótese de sabotagem estava descartada, pois não foram detectados nos locais ondas eletromagnéticas fortes o suficiente para gerar uma corrente com pelo menos dois amperes, necessária para detonar a espoleta, e vai por aí. Abalizando superficialmente as palavras do brigadeiro podemos constar que:

1O brigadeiro Tiago da Silva Ribeiro já mentiu pelo menos uma vez em outra oportunidade.

Em 11 de dezembro de 1999, declarou para toda a imprensa: "A causa da teledestruição do VLS-01 - V02 aos 3m20s foi o não acendimento do motor do segundo estágio". Não foi. Foi a explosão "intempestiva" da carga de destruição do segundo estágio, e ele já sabia disso quando deu aquela declaração. Quem faz um cesto faz um cento.

2 Desde o primeiro instante após a "explosão", a teoria da "corrente elétrica" já corria solta na boca das autoridades do governo. O ministro da "Defesa", José Viegas, já declarava isso com entonação de certeza: sabotagem, nem pensar. Missão impossível para os seus pares do Itamarati assumir.

3 Desde as suas primeiras declarações, o brigadeiro Tiago da Silva Ribeiro não admitia que se lançasse qualquer traço de culpa ou responsabilidade sobre os membros da equipe recém sacrificada pela explosão.

Agora ele já sugere esta possibilidade. Morto não fala.

4 O brigadeiro usou a expressão "corrente elétrica espúria" como a autora da detonação da espoleta do ejetor do motor S-43-A do primeiro estágio do VLS.

Espúrio, de acordo com o Caldas Aulete: suposto, não genuíno, incestuoso, bastardo, ilegítimo.

Sinceramente não sei como interpretar o uso desse adjetivo no campo da física para qualificar e definir qualquer tipo de corrente elétrica por mim conhecida.

5 De acordo com as informações disponíveis, os sistemas elétricos de segurança dos ejetores do VLS não permitem, em hipótese nenhuma, a circulação de qualquer tipo de corrente elétrica, sejam elas "espúrias", "prostitutas", "vadias", "vagabundas", "canalhas", "traidoras", etc., nas espoletas dos ignitores, até que seus circuitos sejam armados instantes antes do lançamento, já na parte final da contagem regressiva.

Portanto, o brigadeiro Tiago da Silva Ribeiro mais uma vez volta a faltar com a sua palavra de oficial general de quatro estrelas.

6Para o brigadeiro, a única hipótese possível para a prática de uma sabotagem é através da utilização de ondas eletromagnéticas fortes. Não considera o uso de agentes infiltrados e outros artifícios. Estranho, não?

Então, por que não responder à pergunta do jornalista da Folha de São Paulo, Roberto Godoy, especializado em tecnologia de armamentos, feita durante programa da TV Educativa, que foi ao ar no dia 2 de setembro de 2003: "Eu só quero saber por que, no dia 23 de abril de 2003, toda a equipe de montagem do VLS foi retirada intempestivamente da base de Alcântara e recambiada às pressas para São José dos Campos?"

Quem ficou mantendo a segurança do VLS até o retorno da equipe? Quem manipulou o foguete durante esse período? Quem pariu a "corrente espúria" nascida no interior do próprio VLS?

7 Sabotagem, jamais.

O governo não pode admitir o que voluntariamente permitiu: que o país fosse, mais uma vez, violentamente abusado por parte do "grande irmão do norte".

8 Covardes!

 

Saudações nacionais.


Ronaldo Schlichting é administrador de empresas

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro